Cientistas descobrem aurora em uma estrela anã marrom

O fenômeno, que é comum na Terra, pode significar um ambiente propício para o surgimento de vida extraterrestre

por João Paulo Martins 31/07/2015 14:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Caltech.edu/Reprodução
(foto: Caltech.edu/Reprodução)
Pela primeira vez astrônomos descobrem o fenômeno da aurora em um corpo celeste fora de nosso sistema solar. O efeito de luz foi detectado não em um planeta, mas numa anã marrom, que é uma espécie de estrela, muito grande para ser comparada com a Terra, por exemplo, mas que não tem capacidade de manter reações de fusão nuclear em seu núcleo, como nosso Sol.

Os cientistas desceveram a aurora como sendo muito parecida com a que temos no Hemisfério Norte, porém, possui uma coloração mais avermelhada e uma luz bem mais intensa.

"Se você pudesse se colocar de pé na superfície da anã marrom – o que é impossível, pois a temperatura é muito alta e a gravidade avassaladora –, seria presenteado com um show de luzes fantástico, graças às auroras, que são centenas de milhares de vezes mais poderosas que as detectadas em nosso sistema solar", diz Gregg Hallinan, professor assistente de Astronomia da universidade Caltech, na Califórnia, Estados Unidos, no texto de divulgação da descoberta.

A anã marrom em questão está a 20 anos-luz da Terra, na constelação de Lira. O trabalho de Hallinan foi publicado na revista Nature, um das mais importantes publicações científicas do mundo.

Segundo os cientistas, a descoberta de aurora em objetos fora de nosso sistema solar pode ajudar na busca por vida extraterrestre. Um exemplo disso, de acordo com o pesquisador Gregg Hallinan, é que para gerar esse efeito luminoso, o astro precisa ter um campo magnético, e, com isso, existe a proteção da atmosfera contra a radiação ultravioleta de tempestades estelares – também chamada de ejeção de massa coronal, que ocorre em nosso Sol.

Últimas notícias

Comentários