Nanossatélite brasileiro se acopla à Estação Espacial Internacional

Produzido em conjunto por universidades federais e pela Agência Espacial Brasileira, o equipamento é o primeiro do tipo fabricado em nosso país, e ajudará em pesquisas ambientais

24/08/2015 15:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nasa/Divulgação
O nanossatélite brasileiro, produzido por quatro universidades federais, em parceria com a Agência Espacial Brasileira, se acopla à Estação Espacial Internacional nesta segunda, dia 24 de agosto (foto: Nasa/Divulgação)
O satélite de pequeno porte Serpens, desenvolvido por estudantes de universidades federais, está sendo transportado para a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) e deve ser acoplado ao laboratório espacial nesta segunda-feira (24/8). Ele foi lançado ao espaço pelo veículo japonês H-IIB na quarta-feira, dia 19 de agosto.

Após chegar à ISS, o nanossatélite entrará numa lista de espera para ser posto em órbita, a 400 quilômetros de altura. Essa distância permite que o satélite fique no espaço por até seis meses, antes de retornar à Terra.

Em órbita, onde está programado para ser colocado no final de setembro ou início de outubro, o Serpens vai enviar os dados recebidos via rádio para as estações em solo, localizadas nas universidades.

Criado pela Agência Espacial Brasileira (AEB), o Serpens é o primeiro nanossatélite do projeto Sistema Espacial para a Realização de Pesquisa e Experimentos com Nanossatélites. A missão do equipamento é inspirada no Sistema Brasileiro de Coleta de Dados, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), responsável por coletar informações ambientais do país.

Além da Universidade de Brasília (UnB), participam do projeto as universidades federais de Minas Gerais (UFMG), do ABC (Ufabc) e de Santa Catarina (UFSC). O Instituto Federal Fluminense (IFF) é parceiro no processo de instalações das estações de solo. A AEB investiu cerca de R$ 800 mil no nanossatélite. Do exterior integram o projeto universidades dos Estados Unidos, da Espanha e da Itália.

(com Portal EBC e Agência Espacial Brasileira)

Últimas notícias

Comentários