Nasa estudará efeitos das mudanças climáticas no oceano Ártico

A agência americana quer analisar como o descongelamento dos glaciais está afetando a fauna e a flora dessa região do planeta

01/09/2015 11:16

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Com dados registrados por satélites durante anos, a Nasa irá avaliar o impacto causado pelo degelo das calotas polares na região do oceano Ártico, próximo ao Alasca (foto: Pixabay)
A Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa) anunciou na segunda, dia 31 de agosto, que vai estudar os efeitos ambientais e sociais das mudanças climáticas no Alasca e noroeste do Canadá, regiões banhadas pelo oceano Ártico, e que são afetadas pelo degelo das calotas polares. O projeto é denominado Above (Arctic Boreal Vulnerability Experiment) e vai reunir dados coletados pela Nasa ao longo de vários anos, por meios de satélites, e calcular os efeitos climáticos em uma área de 6,4 milhões de quilômetros.

O anúncio foi feito no mesmo dia em que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, discursou em uma conferência sobre os impactos das mudanças climáticas para os glaciais no estado do Alasca e defendeu que medidas sejam tomadas para reduzir o impacto dessas mudanças na região.

O programa da Nasa terá três fases e dois estágios de investigação. O objetivo é medir o impacto das mudanças na região do Ártico para a fauna e a flora e para a população local.

No texto publicado em sua página, a Nasa diz ter material coletado para estudo. "Os bosques boreais e a tundra [presentes no ecossistema ártico] são fundamentais para compreender o impacto das mudanças do clima na Terra", acrescenta o texto.

Nas fases do estudo será investigado o impacto dos incêndios florestais nos ecossistemas da região, onde mais de 5 milhões de acres (2 milhões de hectares) no Alasca e 9,7 milhões de acres (4 milhões de hectares) no Canadá foram queimados. Também será estudado o alcance do descongelamento dos chamados permafrost - terrenos que estiveram congelados por milhares de anos e agora apresentam composição de matéria orgânica e plantas.

"A vegetação e o carbono congelados no solo apodrecem e liberam metano e dióxido de carbono na atmosfera, o que aumenta o efeito estufa e produz a continuidade do ciclo, mais descongelamento e mais liberação de gases na atmosfera".

O estudo sobre o impacto na vida silvestre do Alasca e do Canadá vai abordar ainda mudanças no habitat e movimentos migratórios de animais da região.

(com Portal EBC e Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários