Especialista minimiza impeachment que foi pedido por Hélio Bicudo

Apesar do fundador do PT dizer que existem provas contra a presidente, cientista político acha que Dilma está conseguindo se desviar bem dos inúmeros ataques

por Vinícius Andrade 01/09/2015 18:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Câmara dos Deputados/Divulgação
Entre as justificativas dadas por Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT, para o pedido de impeachment de Dilma estaria uma suposta 'maquiagem' dos problemas brasileiros (foto: Câmara dos Deputados/Divulgação)
As pressões sobre a presidente Dilma não param e, desta vez, o ataque veio de um ex-aliado. O jurista e político Hélio Bicudo, um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT), entrou com um pedido de impeachment contra a mandatária na Câmara dos Deputados. Segundo a assessoria da casa, o requerimento foi protocolado na tarde desta terça-feira, 1º de setembro.

Na carta enviada a Eduardo Cunha, presidente da Câmara, Hélio cita os problemas no país e diz que o governo está "colocando o Brasil numa crise profunda". O ex-petista fala de uma suposta "maquiagem feita pela presidente para tentar esconder os problemas que assolam a nação". O jurista pede ainda que Gilmar Mendes, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), apure todos os itens que "possam ser considerados como crime".

Segundo o fundador do PT, tudo que está acontecendo no país provaria que "Dilma agiu com consciência". Ele se refere às "pedaladas fiscais" – manobra que pode ter aliviado o resultado das contas públicas e será julgada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) – e a suspeita é de que a presidente também esteja ligada ao caso de corrupção da Petrobras.

Bicudo chegou a ser eleito deputado federal em 1991 e atuou como vice-prefeito de São Paulo durante a gestão de Marta Suplicy, de 2001 a 2004. Em 2005, ano em que o mensalão foi exposto na mídia, ele se desfilou do PT e, posteriormente, chegou a declarar apoio a José Serra e Marina Silva.

Palavra do especialista

Segundo o cientista político Paulo Ricardo Diniz, professor da PUC Minas, do ponto de vista político, a ação de Hélio Bicudo não deve ter um peso significativo, mas pode contribuir para um desgaste maior da imagem do governo e da presidente. Porém, ele afirma que Dilma e o PT estão bem preparados para suportar as pressões.

"O governo dá a impressão de que se acostumou com um desgaste muito grande. Acho que esse pedido de impeachment não vai fazer diferença. Enquanto o governo conseguir uma relação mais próxima com o PMDB, acredito que não vai haver um desconforto maior para a presidente. A reaproximação com o Renan Calheiros [presidente do Congresso Nacional] deu uma acalmada no ambiente", destaca o especialista.

Últimas notícias

Comentários