Câmara pode ter 'código de vestimenta' para mulheres

A pedido de deputadas, primeiro-secretário da casa estuda a regulamentação da roupa usada pelo público feminino que circula no ambiente legislativo, para evitar 'excessos'

por João Paulo Martins 03/09/2015 11:34

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Monique Renne/CB/D.A Press
A pedido de deputadas, a Câmara Federal pode passar a ter um 'código de vestimenta' para regulamentar a roupa das mulheres que circulam pela casa, e evitar 'excessos' (foto: Monique Renne/CB/D.A Press)
Como se o Congresso já não tivesse projetos suficientes para estudar, um assunto inusitado entrou na pauta da Câmara dos Deputados: a forma como as mulheres que circulam pela casa se vestem. A pedido da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), que é filha de Roberto Jefferson, o grande delator do Mensalão, o primeiro-secretário da Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), está analisando a possibilidade de criar um "dress code" (código de vestimenta) para restringir a liberdade de vestuário das mulheres que visitam o ambiente legislativo.

Segundo Mansur, a proposta tem o apoio de outras deputadas, e é importante para se evitar os "excessos" que vêm sendo cometidos. "Temos que diminuir os 'excessos'. Eu acho que temos que adotar uma certa liturgia dentro da casa, um respeito. Estou no quinto mandato e, às vezes, você vê pessoas com vestimentas fora do padrão, no plenário da casa", diz o deputado paulista. "Tenho 64 ano e nada me choca mais. A gente percebe que existe um padrão no judiciário e ele não é seguido aqui", completa o parlamentar.

O grande problema, segundo as deputadas, são as minissaias e os decotes, que estariam em desacordo ao decoro "exigido" pela Câmara dos Deputados. A ideia é seguir a mesma lógica do judiciário, em que as mulheres devem usar blazer, tailleur, calça social ou saia comprida para acompanhar julgamentos ou transitar pelas dependências da casa. Mansur deixa claro que o clima seco e quente de Brasília será levado em conta na hora de criar o "dress code" – e as visitas guiadas também devem ficar de fora da regulamentação.

Para os homens, que já são "obrigados" a usar terno e gravata, a grande mudança é a proibição do uso de calças jeans apertadas, rasgadas, estilizadas, bem como o uso de chinelos ou similares (salvo necessidade médica). O texto apresentado por Cristiane Brasil coíbe "peças excessivamente decotadas, tanto na frente quanto nas costas, blusas de frente única ou tomara-que-caia, shorts, bermuda, mini blusa, minissaia, trajes de banho e de ginástica". Além disso, não será permitida a exposição do abdômen ou da lombar, como acontece em calças de cós baixo.

Últimas notícias

Comentários