Mamute capturado em vídeo na Sibéria?

As imagens exibidas por um tabloide inglês geraram discussão na internet, mas, será que são verídicas?

por Encontro Digital 14/09/2015 15:28

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Reprodução
Será que um mamute, extinto há milhares de anos, estaria vivendo em áreas inóspitas de nosso planeta? (foto: YouTube/Reprodução)
A imagem de um enorme mamute cruzando um rio deixa qualquer um espantando, não é? Ainda mais porque esse animal foi extinto da Terra há 4 mil anos. A cena bizarra do paquiderme "vivo", em pleno século XXI, teria sido flagrada em vídeo num rio gelado na região da Sibéria, na Rússia, e foi divulgado pelo tabloide inglês The Sun, gerando polêmica na internet.

Confira abaixo as imagens, que não têm uma qualidade muito boa:


Segundo o jornal, que adora publicar notícias surreais e fofocas, o vídeo com o suposto mamute teria sido analisado pelo escritor Michael Cohen, que é especializado em paranormalidade. "Há rumores de que vários mamutes ainda estejam vivendo no deserto da Sibéria há décadas e, ocasionalmente, avistamentos têm ocorrido no local", diz Cohen ao tabloide inglês.

Porém, se você acha que esse parente milenar dos elefantes ainda estaria vivendo em áreas remotas de nosso planeta, o portal e-Farsas, que vasculha a verdade em histórias curiosas da internet, descobriu que se trata, claro, de uma montagem. O vídeo original do rio Kitoy, que realmente fica na Sibéria, foi feito pelo escritor e cineasta russo Ludovic Petho, em 2011, como parte de um documentário sobre a fuga de presos de um campo de concentração em 1915.

Veja a imagem original do rio:
YouTube/Reprodução
As imagens do rio Kitoy, na Sibéria, foram feitas bem antes da montagem que mostra o suposto 'mamute' cruzando suas águas (foto: YouTube/Reprodução)


Portanto, o e-Farsas conclui que o suposto mamute foi inserido posteriormente. Como prova dessa montagem, é possível perceber que, apesar da má qualidade do vídeo "misterioso", o movimento do paquiderme não altera o fluxo do rio.

Últimas notícias

Comentários