Ficar sentado por muito tempo faz mal para o fígado

Estudo mostra que ficar sentado por mais de 10 horas diariamente pode causar a doença hepática gordurosa não alcoólica, ou esteatose hepática

por João Paulo Martins 19/09/2015 19:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Mesmo que trabalhe o dia todo sentado, é importante fazer pausas e caminhar, para evitar a esteatose hepática, conforme estudo sul-coreano (foto: Pixabay)
Que o hábito de ficar muito tempo sentado não é bom para ninguém, isso é sabido. O sedentarismo é o grande causador de diabetes, obesidade e ansiedade. Mas, um estudo recente associou esse hábito, comum em muitas pessoas, ao aparecimento da doença hepática gordurosa não alcoólica (conhecida como esteatose hepática), que é o acúmulo de gordura no fígado.

Publicado no periódico científico Journal of Hepatology, o estudo descobriu que ficar 10 horas ou mais sentado pode aumentar o risco de se ter a esteatose hepática em até 9%. O contrário, ou seja, pessoas que são ativas e caminham ao menos 10 mil passos por dia, por exemplo, têm 20% menos chance de contrair esse problema.

O estudo foi realizado na Coreia do Sul e analisou 140 mil homens e mulheres com idade média de 40 anos. Segundo a pesquisa, cerca de 40 mil, ou 35% deles, foram diagnosticados com doença hepática gordurosa não alcoólica, por meio de ultrassom. Em entrevista aos pesquisadores, eles informaram o tempo em que ficavam sentados e quais atividades físicas praticavam.

De acordo com o médico Seungho Ryu, um dos coordenadores do estudo, grande parte dos voluntários estavam com a saúde em dia, o que acaba com a suspeita de que a esteatose poderia ter sido causada por outros problemas não relacionados ao sedentarismo.

"Nosso corpo foi desenvolvido para se movimentar. Não é surpresa que o comportamento sedentário, caracterizado pela baixa atividade muscular, tenha impacto direto em nossa fisiologia", diz Michael Trenell, professor de Metabolismo e Medicina Cotidiana na Universidade de Newcastle, da Inglaterra, em texto publicado junto com o estudo.

(com The Huffington Post)

Últimas notícias

Comentários