'Queimadura' de água-viva pode levar à morte?

Após incidente com empresário brasileiro, que acabou morrendo de infecção bacteriana, ressurgiram as dúvidas sobre os encontros acidentais com esse pequeno animal marinho

por Vinícius Andrade 30/09/2015 09:01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Os tentáculos das águas-vivas são cheios de estruturas que inoculam o veneno que causa a sensação de 'queimadura' (foto: Pixabay)
A morte do empresário Luis Fernando La Selva, no dia 20 de setembro, reacendeu o debate sobre o potencial do veneno das águas-vivas. O marido e sócio da designer Camila Klein foi atingido pelo animal durante uma viagem a Cuba e, depois do incidente, sofreu uma infecção bacteriana. Ainda é um mistério se a bactéria alojou no organismo da vítima por conta da "queimadura" provocada pelo animal ou por outro motivo. A relação da morte com a água-viva não está clara, mas fica a dúvida se essa criatura pode ser letal.

Segundo o biólogo Bernardo Antonio Perez da Gama, professor de biologia marinha da Universidade Federal Fluminense (UFF), são raros os registros de acidentes graves envolvendo água-viva, mas existe uma espécie altamente venenosa, que pode levar à morte. Ela é conhecida como Irukandji e habita os mares do norte da Austrália. "Independentemente da área em que a pessoa for afetada, pode levar à morte se a vítima não receber socorro. É a espécie mais perigosa do mundo. Dentro d’água, ela se torna praticamente invisível, por ser muito pequena e transparente", conta o especialista.

Sistema de ataque

As águas-vivas possuem uma estrutura chamada nematocisto, responsável por disparar as neurotoxinas nas presas. Isso é feito por meio dos tentáculos, que têm a função de agarrar as presas, que geralmente são pequenos peixes e invertebrados. Acidentalmente, uma pessoa que estiver nadando próximo ao animal pode entrar em contato com esses tentáculos, que grudam na pele da vítima e provocam a sensação de "queimadura". Algumas pessoas afirmam que a cor do tentáculo pode indicar a potência do veneno, mas, segundo o biólogo, a informação não procede.

Não existem dados estatísticos que apontam quais regiões brasileiras estão mais sujeitas a acidentes com águas-vivas. Bernardo acredita que o litoral nordestino seja mais propício pelo fato de muitas espécies estarem associadas a águas mais quentes.

No início deste ano, o grande número de casos registrados em Florianópolis, Santa Catarina, chamou a atenção. De outubro de 2014 a janeiro de 2015 foram registrados mais de 32 mil acidentes, um aumento de 2.105% em relação ao mesmo período dos anos anteriores, segundo o Corpo de Bombeiros. Os especialistas levantaram a hipótese de aquecimento do mar para explicar o fenômeno.

O que fazer?

Em casos de "queimadura" por água-viva, a primeira recomendação é não esfregar o local afetado. "Se a área atingida for pequena, a pessoa pode tentar remover os tentáculos. Se for uma parte grande do corpo, o melhor é procurar um médico", afirma o professor da UFF.

Não é indicado lavar com água doce, usar álcool, amônia ou urina. O procedimento mais correto é procurar um posto guarda-vidas. Normalmente, os bombeiros utilizam vinagre para neutralizar o veneno e aliviar os sintomas.

O líquido deve ser colocado em um pano sobre a região afetada por cerca de 20 minutos. Vale lembrar que além de "queimaduras", as águas-vivas também podem causar náusea, vômitos, tonturas e desmaios.

Últimas notícias

Comentários