Pescador acha lagosta tão rara quanto ganhar na Mega-Sena da Virada

Essa espécie de crustáceo possui diversas cores, mas a que apresenta o corpo dividido em marrom e laranja só existe na proporção de um em 50 milhões de indivíduos

por João Paulo Martins 13/10/2015 09:10

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nancy Lane/Cifuduji.interbizportal.com/Reprodução
A lagosta com metade do corpo dividida nas cores marrom e laranja é tão difícil de ser achada quanto ganhar na Mega-Sena da Virada, sabia? (foto: Nancy Lane/Cifuduji.interbizportal.com/Reprodução)
Você acha difícil ganhar na Mega-Sena da Virada? Pois é, sabia que existe uma espécie de lagosta que é tão difícil de ser encontrada quanto "abocanhar" o cobiçado prêmio da loteria brasileira? Nos Estados Unidos, em julho deste ano, um pescador do estado do Maine encontrou uma lagosta com o corpo dividido nas cores marrom e laranja. Isso não seria um fato curioso, se o animal não fosse tão raro: a chance de achar um indivíduo como esse é de apenas um em 50 milhões.

O crustáceo de duas cores foi doado para a loja Pine Point Fisherman's Co-op, que vende peixes e frutos do mar e costuma exibir espécies raras e curiosas. "Elas são incomuns, mas nem tanto. Nós as vemos todos os anos", diz Robert C. Bayer, diretor executivo do Instituto da Lagosta da Universidade de Maine. Ele explica que existem diversas espécies raras e com as mais diferentes cores.

A lagosta laranja com pintas marrons, por exemplo, também é bem rara, sendo achada na proporção de uma para cada 30 milhões. Já a azul, apesar de ser exótica, pode ser achada mais facilmente, em um a cada dois milhões de indivíduos. Segundo Bayer, a mais rara de todas é a lagosta albina, também chamada de cristal. Só existe uma em cada 100 milhões desses crustáceos no mundo. Encontrar uma é o mesmo que ganhar duas vezes na Mega-Sena da Virada. O mais curioso, além da raridade, é que ela é a única que não fica vermelha ao ser cozida.

O diretor do Instituto da Lagosta lembra que ainda não se sabe ao certo o que leva às diferentes variações nas cores do animal, mas uma das teorias diz respeito a fatores genéticos. O certo é que esses crustáceos podem ser encontrados em combinações de amarelo, vermelho e azul (responsável pelo tom marrom).

(com National Geographic)

Últimas notícias

Comentários