Inmetro proíbe a comercialização de chupetas e mamadeiras customizadas

As empresas que não seguirem as normas do instituto poderão ser punidas com apreensão dos produtos e multas de até R$ 1,5 milhão

por Da redação com assessorias 16/10/2015 10:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Segundo o Inmetro, a customização de chupetas e mamadeiras pode levar a problemas nas crianças, incluindo intoxicação (foto: Pixabay)
O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) publicou no Diário Oficial da União uma portaria que proíbe a comercialização de chupetas, mamadeiras e bicos de mamadeiras customizados, que foram considerados perigosos para o uso infantil.

Com essa decisão, os estabelecimentos (lojas físicas e virtuais) onde forem encontradas irregularidades estarão sujeitos às penalidades previstas na lei, com multas que variam de R$ 100 a R$ 1,5 milhão. "A customização torna os produtos inseguros, com risco de as peças aplicadas, como cristais, se soltarem durante o uso e manuseio pelo bebê, podendo ocasionar grave sufocamento e até levar a óbito. Além disso, há a possibilidade de toxicidade por conta dos enfeites aplicados", explica Alfredo Lobo, diretor de Avaliação da Conformidade do Inmetro.

Segundo Lobo, relatos de acidentes de consumo no exterior influenciaram a decisão. "Identificamos acidentes com crianças na Europa e nos Estados Unidos, onde a customização de produtos infantis já é controlada. Esses tipos de produtos são comercializados em feiras de bebês, lojas de artigos infantis e sites", conta o diretor.

Vale lembrar que chupetas e mamadeiras não customizadas são produtos regulamentados pelo Inmetro, em conjunto com a Anvisa, e certificados compulsoriamente no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade. A customização é entendida como alteração do modelo original e, portanto, não há como confiar que o produto se mantenha seguro e não coloque o usuário em risco.

Últimas notícias

Comentários