USP diz que não pode distribuir substância que 'cura' o câncer

A universidade explica que a fosfoetanolamina não foi testada em animais e que ainda não existe comprovação científica de sua eficácia contra essa séria doença

por Vinícius Andrade 19/10/2015 08:31

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
EPTV/Reprodução
Muitas pessoas entraram na justiça para ter o direito de usar a fosfoetanolamina no tratamento do câncer, mesmo sem comprovação científica (foto: EPTV/Reprodução)
A reitoria da Universidade de São Paulo (USP) emitiu um comunicado para esclarecer as polêmicas envolvendo uma substância química chamada fosfoetanolamina, anunciada como "cura" para o câncer. O parecer foi uma reação à decisão judicial que obrigou a instituição a distribuir o composto para pacientes e familiares persuadidos de que a droga teria algum efeito benéfico.

"A USP não desenvolveu estudos sobre a ação dos produtos nos seres vivos, muito menos estudos clínicos controlados em humanos. Não há registro e autorização de uso dessa substância pela Anvisa e, portanto, ela não pode ser classificada como medicamento, tanto que não possui bula", diz o comunicado.

A substância vinha sendo fornecida gratuitamente por funcionários da USP no campus de São Carlos, mas uma portaria do Instituto de Química restringiu a distribuição. Desde então, a briga foi parar na justiça, culminando na liberação da droga pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. As pessoas têm formado filas para retirar o produto, na esperança de alcançarem a tão sonhada cura para o câncer.

"É compreensível a angústia de pacientes e familiares acometidos de doença grave. Nessas situações, não é incomum o recurso a fórmulas mágicas, poções milagrosas ou abordagens inertes. Nessas condições, pacientes e familiares aflitos se convertem em alvo fácil de exploradores oportunistas", afirma o comunicado.

Como mostra o médico oncologista Alexandre Chiari, da Oncomed BH, o câncer compreende centenas de doenças biologicamente distintas. Portanto, afirmar que uma droga pode "curar" a doença é uma ilusão. "Essas notícias são dadas sem embasamento científico e aguça pessoas que estão desesperadas por terem algum familiar doente de câncer. É absolutamente sem procedência, é absurda a informação", critica o especialista.

A universidade também afirma não ter capacidade de produzir a substância na escala em que vem sendo solicitada. A reitoria sugere que a justiça busque a indústria química caso queira obrigar uma distribuição da fosfoetanolamina em grande escala. "Não há, pois, nenhuma justificativa para obrigar a USP a produzí-la, sem garantia de qualidade", informa o comunicado.

Últimas notícias

Comentários