Câmara aprova projeto que autoriza universidade pública a cobrar por curso lato sensu

A questão dividiu as opiniões dos deputados, e muitos acreditam que isso possa ser o início de uma futura privatização

por Da redação 22/10/2015 16:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Luis Macedo/Câmara dos Deputados/Divulgação
Segundo o projeto, as instituições poderão cobrar pelos cursos de extensão, de pós-graduação lato sensu e de mestrado profissional (foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados/Divulgação)
O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na quarta, dia 21 de outubro, em primeiro turno, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 395/14, do deputado Alex Canziani (PTB-PR), que permite às universidades públicas cobrar por cursos de pós-graduação lato sensu – as famosas especializações, como o MBA. Os destaques apresentados à matéria serão votados na próxima semana.

Todos os três destaques, apresentados pelo PCdoB, pelo PDT e pelo DEM, pretendem retirar do texto a possibilidade de cobrança pelo mestrado profissional.

Os deputados aprovaram, por 318 votos a 129, um substitutivo de autoria do deputado Cleber Verde (PRB-MA). Segundo o texto, o ensino público superior de graduação e de pós-graduação acadêmica continuam gratuitos, mas as instituições poderão cobrar pelos cursos de extensão, de pós-graduação lato sensu e de mestrado profissional.

A exceção será para os programas de residência (em saúde) e de formação de profissionais na área de ensino, que continuarão gratuitos.

Em qualquer situação, deverá ser respeitada a autonomia universitária, ou seja, a universidade decidirá se deseja ou não cobrar pelos cursos.

Discussão no Supremo

O autor da proposta ressalta que várias universidades já oferecem cursos lato sensu e cobram por isso. "Essa discussão está no Supremo Tribunal Federal (STF) e, segundo o texto atual da Constituição, a decisão poderá ser de proibir a cobrança, mas, sem essa PEC, as universidades não poderão mais ofertar esses cursos", afirma Canziani.

O assunto foi parar no Supremo porque o Ministério Público tem contestado a cobrança com base no argumento de que a Constituição prevê a gratuidade do ensino público oficial para todos os níveis.

Segundo o deputado Cleber Verde, que foi relator da PEC na comissão especial, a aprovação do texto vai encerrar processos judiciais que questionem a cobrança já feita por universidades públicas em cursos de pós-graduação lato sensu, especializações e mestrado profissional.

"Como esses cursos são voltados ao mercado de trabalho, não cabe à universidade retirar verbas de outras áreas para custeá-los. São cursos profissionalizantes, feitos por demanda que vem da empresa, de órgãos públicos, para a capacitação daquele trabalhador. Não é justo que a universidade, que já tem os seus custos diminuídos, tenha de custear também os profissionalizantes", afirma Cleber Verde.

Processo de privatização

O líder do Psol, deputado Chico Alencar (Psol-RJ), diz que a medida contraria os princípios de educação pública, universal e de qualidade. "Acaba ferindo e abrindo uma porta perigosa para o papel estratégico do sistema educacional público", reclama o deputado, referindo-se à possibilidade de privatização.

Para o deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA), a proposta vai "entregar patrimônio científico aos que se alimentam do lucro".

(com Agência Câmara)

Últimas notícias

Comentários