Câmara cria comissão especial para estudar unificação das polícias no Brasil

Equipe será coordenada pelo deputado federal mineiro delegado Edson Moreira, que ficou famoso pela investigação do Caso Eliza Samúdio

por Marcelo Fraga 23/10/2015 17:16

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados/Divulgação
Deputado delegado Edson Moreira vai comandar a comissão especial para analisar a proposta de unificação das polícias Militar e Civil (foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados/Divulgação)
A Câmara dos Deputados anunciou na quarta, dia 14 de outubro, a criação de uma comissão especial para analisar projetos relativos à unificação das polícias brasileiras. A ideia é estudar e verificar a viabilidade das diversas propostas de emendas à Constituição (PECs) existentes, atualmente, e que têm a intenção de transformar a Polícia Militar e a Polícia Civil em uma instituição única.

Os trabalhos serão coordenados pelo deputado federal delegado Edson Moreira (PTN), que foi eleito o presidente da comissão. Além do parlamentar mineiro, a equipe é composta por outros 25 deputados, a maioria também delegados ou oficiais da Polícia Militar.

Em entrevista exclusiva à Encontro, Edson Moreira explica que o primeiro passo da comissão especial será estudar as dificuldades para se criar uma polícia única: "Precisamos analisar os impasses, que são muitos. O principal deles é a resistência de uma parcela dos oficiais da Polícia Militar, que não concordam com a unificação. Tudo isso precisa ser estudado e conversado". De acordo com ele, o modelo brasileiro de segurança pública precisa ser "urgentemente modernizado e desmilitarizado", e um dos principais motivos é o país ser o único no mundo com duas polícias.

O deputado diz, ainda, que alguns membros da PM defendem o chamado "ciclo completo", que daria à instituição o poder de investigar crimes civis, que, hoje, é uma atribuição exclusiva da Polícia Civil. Segundo Edson Moreira, não é isso que a comissão pretende, porque seria um retrocesso, uma espécie de "retorno ao período da Ditadura". "O que queremos é a criação de uma instituição única, desmilitarizada, e com profissionais especializados em cada segmento, como investigação, rondas e eventos. Obviamente, os profissionais teriam um plano de carreira, podendo optar por qualquer uma das atribuições", esclarece.

Ainda não há previsão para o término dos trabalhos da equipe criada pela Câmara Federal. Como explica o deputado, a ideia é ouvir todos os setores da sociedade, em audiências públicas realizadas em todo o território nacional.

Benefícios para a população

O parlamentar mineiro afirma que a sociedade poderá ser a maior beneficiada com a unificação das polícias, resgatando, inclusive, a confiança nas instituições: "Com uma instituição única, poderemos melhorar nosso sistema de inteligência e, consequentemente, aumentar a eficiência da prevenção de crimes e das investigações. A ideia é ter uma polícia melhor e mais próxima da sociedade".

Ainda segundo Edson Moreira, a unificação traria uma "grande economia" para os cofres públicos, possibilitando que os investimentos sejam mais bem aplicados para a redução dos índices de criminalidade.

Últimas notícias

Comentários