Vida na Terra pode ter surgido 300 milhões de anos antes do que se imagina

Cientistas descobrem, na região noroeste da Austrália, uma pedra de 4,1 bilhões de anos contendo carbono

por João Paulo Martins 28/10/2015 11:08

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Stanford/UCLA/Reprodução
A zircônia encontrada na Austrália contém traços de carbono, e foi datada de 4,1 bilhões de anos, o que pode mudar a teoria da origem da vida na Terra (foto: Stanford/UCLA/Reprodução)
Uma descoberta recente pode mudar uma importante teoria científica: a origem da vida na Terra. Hoje, os cientistas acreditam que o primeiro organismo teria surgido em nosso planeta há 3,8 bilhões de anos e, claro, possuía uma estrutura muito simples (era unicelular e fazia fotossíntese). Porém, um grupo de pesquisadores da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) fez uma descoberta incrível, de uma amostra de carbono de 4,1 bilhões de anos, e publicaram o achado na internet, na terça, dia 20 de outubro.

Esse elemento químico, como é sabido, é essencial para a formação da vida. Segundo os cientistas, o carbono "biogênico" (chamado assim por ser um isótopo associado aos seres vivos) foi encontrado no noroeste da Austrália. Para se chegar a essa descoberta, os geólogos da UCLA analisaram 10 mil pedras de zircônia, em busca de pontos pretos, que seriam um indício do elemento químico. Desse total, 656 cristais tinham manchas potencialmente significativas, e 79 foram minuciosamente analisadas. Ao final, apenas uma zircônia continha o carbono "especial".

"É um importante achado, porque dá suporte à tese de que o planeta parecia muito mais com o que temos hoje, do que com o paradigma que diz que era desolado, sem vida, há 4 bilhões de anos", diz Mark Harrison, co-autor da pesquisa e professor de geoquímica da UCLA, em entrevista ao portal de notícias The Huffington Post.

Como ele mesmo lembra, a descoberta é ainda mais significativa porque mostra que houve possibilidade da vida ter se originado na Terra pouco após a formação do planeta, que se deu há 4,5 bilhões de anos. "Há 20 anos, essa afirmação seria uma heresia. Achar evidência de vida de 3,8 bilhões de anos já foi chocante, na época de sua divulgação. A vida na Terra pode ter surgido quase instantaneamente. Com os ingredientes certos, a vida parece se formar muito rapidamente", comenta o professor da UCLA.

Segundo Mark Harrison, não é possível chegar a uma conclusão com apenas uma evidência. Seriam necessárias ao menos mil zircônias com carbono "biogênico" para que a teoria seja comprovada. O problema é que, para isso, seria preciso desembolsar US$ 15 milhões (R$ 58,5 milhões). Ou, como ele mesmo exemplificou ao Huffington Post, o valor é equivalente ao gasto da Nasa com uma missão no espaço.

Últimas notícias

Comentários