Com condição rara, homem possui dois genomas em seu corpo

O americano só descobriu o fato ao verificar que o filho 'não' era seu, já que possuía um DNA diferente, e que estava ligado ao outro código genético presente em seu corpo

por Vinícius Andrade 04/11/2015 18:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
A condição chamada de quimerismo é muito rara e está ligada ao desenvolvimento de um organismo com DNAs de dois zigotos diferentes (foto: Pixabay)
Um casal americano que fez uma inseminação artificial, descobriu que o bebê tinha um tipo sanguíneo diferente do deles. Para esclarecer a situação, recorreram a exames de DNA e constataram que a criança não era filha do suposto pai, e sim, do irmão gêmeo dele, que morreu antes de nascer. Como isso é possível?

O pai biológico da criança possui uma condição rara e tem dois genomas em seu corpo: o dele e o do irmão gêmeo que não nasceu. Curiosamente, o bebê inseminado nasceu com o traço genético do tio natimorto. Essa condição é chamada de quimerismo. Ou seja, quando um organismo possui células descendentes de dois zigotos diferentes.

O fenômeno pode surgir, por exemplo, a partir da fusão, ainda no útero materno, dos embriões de dois gêmeos não idênticos. Nesse caso, os DNAs encontrados nas células são bastante diferentes, indicando a mistura de dois indivíduos. O americano chamado de "quimera humano" possui um código genético no esperma (referente ao irmão que não nasceu) e outro diferente no restante do corpo.

Outra situação semelhante é o mosaicismo. Ela ocorre quando um indivíduo possui células com DNAs diferentes, mas que descendem do mesmo zigoto. As células sofre mutações conforme o corpo se desenvolve, resultando em diferenças genéticas. Nesse caso, as disparidades são menores, atingindo poucos nucleotídeos (que formam a cadeia genética) em meio aos bilhões que existem no DNA.

Segundo a geneticista Ana Lúcia Godard, os genomas diferentes na mesma pessoa não causam, necessariamente, consequências negativas. "Isso é aleatório. Pode ocorrer uma mutação em um gene que resulte em falta de proteína, o que pode gerar uma patologia, mas é algo casual", explica a especialista.

Últimas notícias

Comentários