Arquidiocese de Mariana cita centenas de vítimas do rompimento da barragem

A entidade católica lamenta a tragédia e pede justiça para que esse tipo de acidente nunca mais aconteça

por Da redação 06/11/2015 09:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Corpo de Bombeiros/MG/Divulgação
A tragédia do rompimento de duas barragens da mineradora Samarco em Mariana deixou centenas de vítimas, segundo a Arquidiocese da cidade histórica (foto: Corpo de Bombeiros/MG/Divulgação)
A Arquidiocese de Mariana, em Minas Gerais, emitiu uma nota me que lamenta "profundamente" a tragédia registrada na tarde de quinta, dia 5 de novembro, no distrito de Bento Rodrigues, zona rural da cidade histórica. A entidade católica cita que o rompimento das duas barragens da mineradora Samarco deixou centenas de vítimas.

"Manifestamos nossa mais sentida solidariedade às famílias que tiveram suas casas e seus bens destruídos e às que choram a morte de seus entes queridos, vítimas dessa catástrofe de proporções incalculáveis", destaca a arquidiocese.

De acordo com o comunicado, o momento é de unir esforços para minimizar a aflição e o sofrimento de todos os que foram atingidos pela tragédia. "Exortamos nossas comunidades a prestarem sua solidariedade às vítimas, acolhendo-as, doando alimentos e roupas, confortando-as, oferecendo-lhes suas preces".

O ginásio da cidade de Mariana recebe desde ontem doações para as famílias que perderam suas casas. A prefeitura de Mariana pede a colaboração da população no sentido doar principalmente itens como roupas, colchões, água mineral e produtos de higiene pessoal. Moradores vizinhos a Mariana também se mobilizam para arrecadar donativos.

No final da nota, a arquidiocese de Mariana classifica a apuração das responsabilidades pela tragédia de "exigência da justiça e condição para que tal situação nunca mais se repita". "Que a fé nos aqueça a esperança e nos estimule a solidariedade para diminuir a dor que é de todos os marianenses e que deixa enlutados este município e o estado de Minas Gerais".

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários