Conheça a diet DASH, que promete controlar a hipertensão arterial

Criada pelo governo dos Estados Unidos, essa dieta se baseia na redução do consumo de sódio e alimentos processados

por Vinícius Andrade 09/11/2015 08:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
A dieta DASH é baseada em alimentos ricos em cálcio, potássio, fibras e magnésio, e pretende reduzir o problema de hipertensão arterial (foto: Pixabay)
Uma dieta americana chamada DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension) promete reduzir a pressão arterial por meio de uma alimentação saudável. O guia foi criado pelo governo dos Estados Unidos e envolve alimentos à base de cálcio, potássio, fibras e magnésio. A ideia é reduzir o consumo de sódio (sal) e produtos processados. O emagrecimento também é uma das consequências, mas não é o objetivo principal.

Segundo a nutricionista Marina Moreno Wardi, membro do Conselho Regional de Nutricionistas de Minas Gerais, a dieta realmente pode ser benéfica para os hipertensos. "Se o indivíduo consegue seguir as recomendações, ela terá um efeito positivo na pressão arterial, pois melhora o perfil dos nutrientes nas refeições e aumenta o consumo de minerais e vitaminas importantes para esse processo", explica a especialista.

Controlar o consumo de gorduras e carnes, ingerir uma boa quantidade de frutas e hortaliças, comer diariamente grãos integrais, sementes leguminosas (feijão, grão de bico, ervilha, lentilha, soja) e oleaginosas (castanhas em geral) são os princípios básicos deste plano alimentar. Apesar de parecer uma boa ideia, a nutricionista não recomenda que as pessoas sigam a dieta sem o acompanhamento de um profissional.

"Como as recomendações envolvem modificações na alimentação, o ideal é que a pessoa esteja acompanhada por um nutricionista, pois ele irá adequar os alimentos de forma que o tratamento seja mais eficaz e duradouro", destaca Marina.

A nutricionista vê com bons olhos a dieta DASH, visto que a hipertensão é um problema comum na população brasileira. Porém, ela frisa a necessidade de uma análise caso a caso. "É importante que as propostas alimentares respeitem as características físicas, pessoais, sociais e culturais do indivíduo", ressalta.

Últimas notícias

Comentários