Dormir ajuda na capacidade de memorização

Segundo estudo brasileiro, o sono pode facilitar o armazenamento do conhecimento

por Da redação com assessorias 24/11/2015 10:44

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
É importante que crianças durmam bem para que o conhecimento adquirido durante o dia seja corretamente armazenado no cérebro (foto: Pixabay)
Que dormir faz bem, isso é sabido. Porém, segundo estudos recentes, o sono também ajuda o cérebro, revitalizando a capacidade cognitiva e a reforçando a memória. Pesquisaodres da Universidade Federal do Rio Grande do Norte comprovaram que uma pessoa precisa dormir também para aprender, pois o sono não é só questão de descanso, e está ligado com a retenção de memória.

"A privação do sono é um grande problema social da atualidade. Nos últimos 50 anos, temos reduzido consideravelmente o tempo de sono. Hoje, a média de sono é de seis horas, quando deveria ser de, no mínimo, sete horas por noite. Isso acaba comprometendo muito o aprendizado", diz neurocientista Stevens Rehen, da Academia Brasileira de Ciências.

Hoje, a neurociência já é capaz de provar que a atividade física pode gerar novos neurônios (processo de neurogênese), assim como o sono é fundamental para a boa memória. "Tirar um cochilo logo após o aprendizado tem um impacto muito grande na retenção de informação. A falta do sono tem consequências para a memória porque o cérebro se reorganiza durante o sono", explica Stevens.

O cientista lembra ainda que a neurociência é muito importante na atualidade, e está diretamente ligada a diversas áreas do conhecimento. "Hoje em dia, algumas das principais questões da humanidade são: identificar se há vida em outros planetas e entender melhor o funcionamento do cérebro, esse pequeno órgão que pesa apenas 1,5 kg e responde pelo que está acontecendo aqui e agora. Por esse motivo, está havendo investimento público e privado nas neurociências para melhorar a qualidade de vida das pessoas", completa Stevens Rehen.

Últimas notícias

Comentários