China vai ter 110 reatores nucleares em funcionamento até 2030

O país oriental quer se tornar uma potência no uso de energia limpa

por Encontro Digital 04/12/2015 09:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Essa 'fumaça' branca que sai das torres das usinas nucleares, na verdade, é vapor proveniente da água usada para resfriar o reator (foto: Pixabay)
A China vai ter, em 2030, 110 reatores nucleares em funcionamento, tornando-se um dos maiores utilizadores no mundo desse tipo de energia, anunciou a maior construtora de centrais nucleares do país, citada pela imprensa estatal.

No total, os reatores operacionais e em construção na China atingirão, em 2020, uma capacidade de geração elétrica de 88 gigawatts, de acordo com a meta estabelecida no 13º Plano Quinquenal (2016-2020), anunciado em outubro.

Segundo o documento, que guiará a política chinesa até 2020, a China investirá 500 bilhões de yuan (a moeda do país) na construção de seis a oito reatores anualmente, ao longo dos próximos cinco anos.

O jornal oficial China Daily informa que a expansão desse tipo de infraestrutura será feita com tecnologia doméstica.

Em outubro passado, a China concordou com uma participação de um terço na central nuclear, a ser construída pela empresa francesa EDF em Hinkley Point C, no Sudoeste da Inglaterra.

O acordo foi concluído horas antes de o presidente chinês, Xi Jinping, iniciar visita de quatro dias ao Reino Unido.

Segundo fontes ocidentais, a China investiu US$ 89 bilhões em energia limpa em 2014, o maior valor entre as nações em desenvolvimento.

"A China está enveredando pelo caminho das energias limpas para reduzir as suas emissões de carbono, com a energia nuclear sendo uma das principais beneficiárias", acrescenta o China Daily.

Estima-se que o país tenha liberado entre nove e dez bilhões de toneladas de CO2 (dióxido de carbono) em 2013, quase o dobro dos Estados Unidos e cerca de duas vezes e meia a mais do que a União Europeia.

(com Agência Lusa e Portal EBC)

Últimas notícias

Comentários