Entenda os riscos do abdominal invertido, que deixou uma jovem na UTI no interior de São Paulo

Especialista diz que o exercício não traz risco, se praticado da forma correta e com segurança

por Vinícius Andrade 14/01/2016 08:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/marcelle.mendesmancuso/Reprodução
A jovem Marcelle Mendes Mancuso fraturou uma vértebra e foi parar na UTI após praticar um abdominal invertido em suspensão (foto: Facebook/marcelle.mendesmancuso/Reprodução)
A universitária Marcelle Mendes Mancuso, de 21 anos, da cidade de São José do Rio Preto, no interior paulista, não poderia imaginar que um simples dia de academia se transformaria em um tormento. A jovem estava fazendo um abdominal invertido e acabou fraturando a coluna. Ela precisou ser encaminhada para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) de um hospital.

O caso da garota chama a atenção devido aos riscos de um abdominal, que, em princípio, parece ser um exercício simples e isento de perigos. Mas, segundo o fisioterapeuta Daniel Câmara Azevedo, professor da PUC Minas, essa é uma atividade em que se deve levar em conta a escala de progressão de dificuldade. Ou seja, o aluno precisa passar por diferentes estágios até fazer um movimento mais avançado, como é o caso do abdominal invertido em suspensão (a pessoa fica com o corpo suspenso e flexiona as pernas para cima).

É preciso levar em conta que, no caso da universitária de São José do Rio Preto, não há informação se a garota estava fazendo o exercício de forma correta. Segundo a imprensa local, ela se machucou quando a cinta que segurava seus pés arrebentou. A garota caiu de cabeça no chão e fraturou a quinta vértebra, além de lesionar a medula. O acidente aconteceu no sábado, dia 9 de janeiro. A academia onde Marcelle se exercitava informou que tem prestado toda assistência à vítima.

O fisioterapeuta ressalta que o caso da jovem foi uma exceção, e que não existe uma contraindicação para o abdominal invertido. Porém, é preciso ter alguns cuidados. "É importante o acompanhamento de um educador físico, que verifica se o aluno possui algum histórico de problema na coluna. É possível que a pessoa tenha uma crise aguda de dor na coluna ou hérnia de disco se a progressão de dificuldade não for respeitada", alerta o especialista.

Os abdominais invertidos, segundo Daniel Câmara, têm como característica a sobrecarga maior sobre o quadril e a coluna. Eles exigem maior esforço, mas, se praticados da maneira correta, não oferecem risco à saúde.

Últimas notícias

Comentários