Estudo comprova: Facebook não aumenta número de amigos reais

Pesquisador mostra que encontros cara-a-cara não sofrem mudança com a grande quantidade de 'amigos' na rede social

por Encontro Digital 21/01/2016 14:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Segundo a pesquisa, grande quantidade de amigos na rede social não altera o perfil social da pessoa na 'vida real' (foto: Pixabay)
Você pode ter 200, 500 ou mil amigos no Facebook, mas, no mundo real, com muita sorte, se conseguir mais de 150 pessoas no seu círculo de pessoas conhecidas, será até exagero. É o que diz um estudo na Grã-Bretanha, publicado no site da Royal Society Open Science.

Com o sucesso das redes sociais virtuais, como o Facebook, nos últimos 10 anos, passou-se a confundir amigos reais com conhecidos das redes sociais. Baseado nessa ideia, o pesquisador britânico Robin Dunbar, do departamento de Psicologia Experimental da Universidade de Oxford, resolveu investigar o potencial da internet em aumentar o tamanho da rede social de uma pessoa no mundo real.

Segundo o estudo, o número de amigos de qualquer pessoa depende de dois fatores básicos: o tamanho do seu cérebro e a sua disponibilidade de investir numa relação de amizade, isto é, o volume do neocórtex e quanto tempo a pessoa dispõe para os amigos.

O ser humano se relaciona com os seus semelhantes por meio de círculos egocêntricos numa escala de proximidade que diminui em relação inversa à quantidade de conhecidos. Cinco pessoas no círculo menor; 15, no segundo círculo; 50, no terceiro; e 150 no quarto. Depois, os círculos de 500 e 1500 pessoas são reservados aos conhecidos, pessoas com quem você pode trocar uma palavra ou outra, sem sequer saber seu nome.

Cara-a-cara

Segundo Dunbar, os entrevistados responderam que o uso do Facebook não aumentou o número de indivíduos nos três círculos mais próximos. Isto é, se por um lado a internet pode aproximar as pessoas no tempo e no espaço, ela não pode, por outro, aumentar a qualidade dos relacionamentos que dependem, fundamentalmente, do encontro cara-a-cara.

"Toda amizade tem uma tendência natural para a deterioração se houver falta de contato no mundo real. As redes sociais da internet podem desacelerar essa deterioração. Contudo, elas não são suficientes para prevenir que as amizades finalmente morram, se não houver eventuais encontros físicos", explica Dunbar.

O Facebook pode aumentar a sua disponibilidade, permitindo que você interaja com várias pessoas ao mesmo tempo, concluiu a pesquisa. Mas nenhuma rede virtual poderá substituir o saudável encontro com um amigo.

(com Agência RFI e Portal EBC)

Últimas notícias

Comentários