Amazônia teria sido amplamente habitada há mais de 10 mil anos

Ao contrário do que se imagina, a região não era composta apenas por uma vasta floresta cheia de animais

por Encontro Digital 18/02/2016 11:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Segundo o arqueólogo, a Amazônia era a 'casa' de populações ancestrais que coletavam frutos e ajudaram a espalhar árvores como castanheiras e cacaueiros (foto: Pixabay)
De acordo com novas pesquisas arqueológicas, diferente do que se vê em livros de história, a Amazônia pré-colonial não correspondia a uma floresta praticamente inabitada, e sim, a uma região densamente ocupada, repleta de aldeias muito populosas. Quem confirma essa constatação é o arqueólogo e professor do departamento de Arqueologia da USP, Eduardo Neves

"Se prestarmos atenção, encontraremos por toda a Amazônia, evidências de que essa região foi densamente ocupada no passado, com pessoas vivendo por toda parte. Essas pessoas eram os ancestrais dos povos indígenas que vivem até hoje por lá. Se andarmos na região, no interior de Rondônia, do Pará, no Amazonas, na beira dos grandes rios, vamos encontrar evidências de que pessoas viveram ali. É comum encontrar em casas dessas regiões, as 'caretas' [fragmentos de cerâmicas produzidas há centenas ou milhares de anos], além de objetos de pedra lascada, machadinhas e outros utensílios antigos", conta Eduardo Neves, em entrevista à Rádio Nacional da Amazônia, no dia 11 de fevereiro.

De acordo com o arqueólogo, já existem estudos que comprovam a antiguidade desses materiais e, consequentemente, das populações que vieveram na região. "Sabemos, hoje, que existem pessoas vivendo na Amazônia há pelo menos 14 mil anos, quase na época em que o continente americano foi ocupado. Os povos indígenas que vivem nas Américas descendem de populações que vieram da Ásia e migraram por volta de 20 mil anos atrás", explica Eduardo Neves.

Na região do rio Guaporé, num sítio arqueológico chamado Abrigo do Sol, escavado na década de 1970, foram feitas datações de carbono que comprovaram a presença humana há 14 mil anos. Em Monte Alegre e na serra dos Carajás, no Pará, no baixo rio Negro e na Amazônia colombiana, também foram comprovados vestígios de atividades de populações com mais de 10 mil anos.

Segundo o arqueólogo, a colonização da Amazônia foi realizada por grupos de caçadores-coletores que não eram primitivos. Várias regiões da floresta que pertncem à parte brasileira já eram habitadas, como a serra dos Carajás, a bacia do rio Jamari e o baixo rio Negro, próximo à cidade de Manaus.

Eduardo Neves acredita que os castanhais de hoje, que são importantes para a atividade econômica das populações ribeirinhas e para povos indígenas, foram cultivados pelos ancestrais que viveram na região. Outras árvores também teriam sido introduzidas pelas povos antigos, como o cacau, o açaí e o guaraná.

O cientista faz um alerta: "Caso a população encontre algum objeto antigo, não o quebre, nem danifique, em busca de algo precioso. Leve-o a um especialista, à prefeitura ou a um professor. Essa é nossa herança, um registro valioso do passado do Brasil".

(com Rádio Nacional da Amazônia)

Últimas notícias

Comentários