ONU alerta: abelhas estão sumindo e a humanidade está em risco

O relatório das Nações Unidas chama a atenção para a extinção das espécies polinizadoras

por João Paulo Martins 26/02/2016 11:06

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Pixabay
Por ter a função de polinizar, a abelha é essencial para a humanidade. Sem ela, não teríamos as frutas, legumes e verduras (foto: Pixabay)
O físico alemão Albert Einstein, famoso por sua teoria da relatividade, já havia anunciado, no início do século passado, que se as abelhas desaparecessem da face da Terra, a humanidade também seria extinta. Até então, isso não era visto como uma "verdade absoluta". Porém, nesta sexta, dia 26 de fevereiro, na cidade de Kuala Lumpur, na Malásia, a ONU divulgou um relatório técnico mostrando que a população de várias espécies de abelhas polinizadoras está sendo rapidamente reduzida ou mesmo extinta.

Os responsáveis pelo relatório alertam que os países precisam tomar uma atitude urgente, antes que a situação chegue num ponto sem volta. "Estamos num período de declínio e as consequências estão aumentando", comenta Simon Potts, diretor do Centro de Investigação Agroambiental da Universidade de Reading, do Reino Unido, e um dos autores do documento das Nações Unidas.

O texto foi baseado em várias pesquisas científicas e chegou a ser aprovado por representantes de 124 nações. Ele lembra que sem as abelhas, que têm uma função ecológica extremamente importante, não teríamos diversos tipos de alimentos, especialmente frutas, legumes e itens de nosso cotidiano, como o café e o chocolate (devido à produção de cacau).

O relatório destaca ainda a situação do inseto no Brasil, que possui 300 espécies de abelhas, concentradas especialmente nas regiões norte e nordeste. O texto chama a atenção para a apicultura brasileira, que é muito comum nos estados que compõem essas regiões. A criação de abelhas, além de ser uma forma de inibir a extinção das espécies, faz de nosso país o sexto maior produtor mundial de mel. Perdemos apenas para China, Estados Unidos, Argentina, México e Canadá.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários