Menina inglesa possui doença rara e não sente sono, fome, medo ou dor

Segundo um jornal inglês, a garota, de apenas 7 anos, sofre de uma condição genética rara

por Marcelo Fraga 08/03/2016 08:34

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/niki.trepakfarnsworth/Reprodução
Com apenas 7 anos, a inglesa Olivia Farnsworth possui uma condição genética rara, que a deixa sem sentir medo, dor, fome ou sono (foto: Facebook/niki.trepakfarnsworth/Reprodução)
Um caso digno de filmes de ficção científica está chamando a atenção do mundo. A menina Olivia Farnsworth, natural da cidade de Huddersfield, na Inglaterra, é muito diferente de qualquer outro ser humano. Ela não sente fome nem dor, não tem senso de perigo e também não se sente cansada. A história da "menina biônica" foi noticiada pelo jornal inglês Daily Mail.

A mãe de Olivia, Niki Trepak, conta que a filha foi diagnosticada pelos médicos com uma condição genética chamada "deleção no cromossomo 6". Segundo ela, tudo começou quando a menina tinha apenas alguns meses de vida. "Diferente de todos os bebês, ela não chorava e, a partir dos 9 meses, parou de dormir durante o dia. Seus cabelos só começaram a crescer depois dos 4 anos", diz a mãe de Olivia ao Daily Mail.

Existem, ainda, outros fatos misteriosos – e impressionantes – sobre a "menina biônica". Conforme Niki Trepak relatou à imprensa inglesa, Olivia Farnsworth não possui senso de perigo. "Uma vez, ela foi atropelada e arrastada por um carro enquanto brincava em frente a nossa casa. Chegou a ser arrastada, mas, mesmo com vários ferimentos, ela se levantou e caminhou em minha direção sem derramar uma só lágrima", conta a mãe de Olivia Farnsworth.

Explicação

O que ocorreu com a menina inglesa e que a transformou em "biônica" poderia acontecer com qualquer pessoa, segundo a citogeneticista Betânia Pena, do laboratório Gene. "Todos nós, exceto os indivíduos que possuem a síndrome de Down, temos exatamente 23 pares de cromossomos [elementos que constituem o nosso DNA]. Em qualquer um desses 46 cromossomos pode haver uma deleção, ou seja, a perda de parte do componente do DNA", explica a especialista.

O motivo da deleção, geralmente, é hereditário, de acordo com Betânia Pena. A citogeneticista esclarece que problemas nos cromossomos não são raros, mas, a maioria ocorre durante a gestação, o que impede o desenvolvimento do feto e, consequentemente, leva a um aborto. Seria uma forma de a natureza não permitir que indivíduos com problemas genéticos passem adiante o DNA defeituoso.

Segundo a especialista, quando se tem uma deleção de cromossomo, mas a criança nasce, como aconteceu com Olivia Farnsworth, é possível, sim, ocorrer perda de sentidos, já que alguns genes são deletados junto com a parte do cromossomo que se foi.

Entretanto, Betânia Pena estranha alguns pontos da matéria feita pelo jornal Daily Mail, que mostra a garotinha inglesa tendo uma vida normal. "Geralmente, quando ocorre uma deleção no cromossomo 6, há também efeitos severos, como problemas mentais gravíssimos. No caso da menina Olivia, ela não frequentaria a escola e jamais conseguiria fazer outras atividades, normais para uma criança", afirma a citogeneticista.

Últimas notícias

Comentários