OMS diz que vacina contra o zika vírus está longe de ser realidade

A previsão do órgão vinculado à ONU é que ainda teremos meses para se chegar a uma vacina

por Encontro Digital 09/03/2016 18:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Segundo a OMS, 67 empresas e instituições estão trabalhando em vacinas, remédios e diagnósticos relacionados ao zika vírus e também no controle do mosquito Aedes aegypti (foto: Pixabay)
A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um importante alerta nesta quarta, dia 9 de março: uma vacina contra o zika vírus pode chegar "tarde demais" para ter um impacto real na atual epidemia na América Latina. "O desenvolvimento das vacinas ainda está em um estágio muito precoce e as opções mais avançadas ainda vão demorar vários meses para serem testadas em humanos", diz a diretora-geral-adjunta da OMS, Marie-Paule Kieny, acrescentando que "é possível que as vacinas cheguem tarde demais para o atual surto na América Latina".

Em declarações dadas ao fim de uma reunião de dois dias sobre a pesquisa relacionada ao vírus, a especialista lembra que a vacina é um "imperativo", especialmente para mulheres grávidas e para as que estão em idade fértil.

Por sua vez, o diretor do instituto de pesquisa brasileiro Butantan, Jorge Kalil, esclarece que o processo de criação de um antiviral será lento: "Talvez dentro de três anos tenhamos uma vacina. Três anos, sendo otimista".

Pesquisa

De acordo com a OMS, 67 empresas e instituições estão atualmente empenhadas em produzir testes, vacinas, medicamentos e produtos para controlar o mosquito Aedes aegypti, que transmite o zika vírus.

São 31 equipes trabalhando em testes de diagnóstico, 18 focadas no desenvolvimento de vacinas, oito para tratar da doença e 10 no controle do mosquito transmissor, que se encontram em diferentes estágios de desenvolvimento. Até o momento, nenhuma vacina ou medicamento foi testado em humanos.

Segundo a OMS, a comunidade científica "respondeu prontamente" à necessidade de produtos médicos relacionados à infecção por zika e de medidas inovadoras de controle vetorial.

(com Agência Lusa e Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários