Homem diz ter encontrado vestígios da Arca de Noé em seu quintal

Americano acredita que os fósseis de caramujo seriam da época do famoso dilúvio bíblico

por João Paulo Martins 21/03/2016 14:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Reprodução
O americano Wayne Propst encontrou fósseis de caramujo (detalhe) no jardim da casa de sua tia, e acredita que sejam da época do dilúvio bíblico (foto: YouTube/Reprodução)
Quando o americano Wayne Propst estava ajudando uma tia a limpar o jardim, na cidade de Tyler, no Texas, acabou encontrado alguns fósseis de caramujo. Segundo ele contou à rede de televisão local KYTX, o material arqueológico seria relacionado ao período do dilúvio, famoso fenômeno que aparece no livro dos Gênesis, na Bíblia.

"Da inundação de Noé para a frente de nosso jardim. Impossível ficar melhor", diz Propst à emissora americana.

O texano, logo após achar o material, enviou imagens dos fósseis para Joe Taylor, curador do museu Mt. Blanco Fossil Museum, que é conhecido por negar a teoria da evolução das espécies de Charles Darwin, e que reconhece o dilúvio como um acontecimento verídico, ocorrido há milhares de anos. Taylor acredita que Noé teria construído a arca e levado pares de todos os animais existentes na Terra, incluindo dinossauros. Em entrevista ao canal KYTX, o curador do museu confirma que os fósseis de caramujo seriam, sim, contemporâneos ao conhecido fenômeno natural que consta na Bíblia.

Em contrapartida, o jornal local Tyler Morning Telegraph, entrevistou o gerente do museu de Coleções de Palentologia Vertebrada do Texas, James Sagebiel, que, ao analisar as imagens, explica que o material arqueológico descoberto por Wayne Propst é datado de milhões de anos. "As pedras devem ter de 30 a 40 milhões de anos, e as pequenas conchas de caracol são, normalmente, encontradas nessa época. Não é algo estranho", revela Sagebiel.

Como mostra o especialista, há milhões de anos, essa região do estado do Texas era banhada pelo mar. Além disso, segundo o site científico Live Science, a história da Arca de Noé nunca teria ocorrido, na realidade. Primeiro, porque não existem evidências de uma inundação global como a citada nos Gênesis. Em segundo lugar, porque não seria possível construir uma arca que abrigasse pares de todos os animais existentes na Terra, incluindo dinossauros que podiam chegar a quase 30 m de comprimento e pesar 50 toneladas.

Últimas notícias

Comentários