Filhote de cachorro de 12 mil anos é encontrado na Sibéria

O corpo do animal de estimação ficou muito bem preservado na terra dessa região extremamente fria

por João Paulo Martins 23/03/2016 16:11

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Reprodução
O corpo extremamente bem preservado de um filhote de 12,4 mil anos foi encontrado numa região da Sibéria, na Rússia (foto: YouTube/Reprodução)
Uma descoberta feita por cientistas da Universidade Federal do Nordeste da Rússia, que fica em Yakutsk, na Sibéria, pode ajudar a ciência a entender melhor o relacionamento entre os humanos e os cães. Arqueólogos encontraram o corpo extremamente preservado de um filhote de cachorro que teria vivido há 12,4 mil anos.

Segundo matéria publicada no jornal russo Siberian Times, é a primeira vez que se encontra um exemplar tão completo de cachorro, especialmente por trazer o cérebro quase totalmente intacto, ou seja, foi possível reconhecer cerca de 80% do órgão. A preservação foi possível graças à região, que é muito fria. Os cientistas acreditam que o animal, que viveu no período Pleistoceno, época em que os seres humanos já haviam domesticado os canídeos, morreu devido a um soterramento.

"É também o primeiro cérebro de um predador, dessa época, a ser descoberto", diz Pavel Nikolski, pesquisador do Instituto Geológico de Moscou, em entrevista ao Siberian Times.

O filhote perfeitamente mumificado, que possui ainda as unhas e os dentes em "perfeito estado", está sendo chamado de "cachorro de Tumat".

Confira, abaixo, algumas imagens da autópsia do cãozinho pré-histórico:
YouTube/Reprodução
(foto: YouTube/Reprodução)

YouTube/Reprodução
(foto: YouTube/Reprodução)

YouTube/Reprodução
(foto: YouTube/Reprodução)

Últimas notícias

Comentários