Goleiro Uilson tem a chance de provar, mais uma vez, a força da categoria de base do Atlético-MG

Com apenas 21 anos, o destino fez com que os três goleiros principais do Galo não pudessem atuar contra o rival, Cruzeiro, no domingo, dia 27 de março

por Vinícius Andrade 24/03/2016 08:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Bruno Cantini/Atlético-MG/Divulgação
Com apenas 21 anos, o goleiro Uilson, revelado pela base do Atlético-MG, vai estrear contra o Cruzeiro no primeiro clássico de 2016 (foto: Bruno Cantini/Atlético-MG/Divulgação)
Alguns podem encarar como uma "fria", outros, como a grande chance da vida. O fato é que o goleiro Uilson, de 21 anos, terá um "teste de fogo" nas quatro linhas atleticanas no clássico contra o Cruzeiro, no próximo domingo, dia 27 de março, às 11h, no estádio Independência, em jogo válido pelo Campeonato Mineiro.

Você, torcedor, se lembra dos últimos "pratas da casa" que defenderam a baliza do Galo? Diego Alves, por exemplo, deixou seu nome marcado na história do clube. Já o arqueiro Edson, não é bem lembrado pela massa alvinegra.

Confira, abaixo, como foi a passagem pelo clube dos últimos goleiros revelados na própria Cidade do Galo:

Em 2005 surgia um talento...

Atualmente, o goleiro Bruno é mais conhecido pelas manchetes policiais. Mas, em 2005, o então jogador de 21 anos, revelado nas categorias de base do Atlético, fazia sua estreia pelo Galo numa partida nada fácil. A suspensão do titular Danrlei, somada à convocação para a Seleção Brasileira Sub-20 do reserva imediato Diego, fez com que Bruno assumisse a meta alvinegra contra o Internacional, em pleno estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS). Com belas defesas, o ex-goleiro atleticano foi um dos destaques do empate em 1 a 1.

Depois disso, Bruno se firmou no gol do Galo e ganhou a confiança da torcida. Ele permaneceu até meados de 2006, quando se transferiu para o Corinthians. Com a camisa atleticana, o goleiro disputou 59 jogos e sofreu 67 gols.

De vilão a ídolo

Diego Alves, por sua vez, é goleiro de nível de Seleção Brasileira, ídolo da torcida atleticana. Mas, para chegar a esse patamar, o jogador precisou vencer a "desconfiança" e dar a volta por cima. Em 2005, com 20 anos de idade, ele fez sua estreia no profissional contra a URT, na vitória do Galo por 4 a 1, no Campeonato Mineiro. Pouco tempo depois, substituiu Bruno contra o Fortaleza, em jogo do Brasileirão, e ficou marcado por uma atuação ruim.

O Atlético vencia o jogo por 2 a 0, até que, aos 35 minutos do segundo tempo, o time "cedeu" a virada para a equipe nordestina. Sob críticas da torcida, Diego só voltou a atuar pelo Galo na metade de 2006, após a venda do companheiro de posição Bruno. Com atuações brilhantes, Diego Alves assegurou a camisa 1 até o primeiro semestre de 2007, quando foi vendido para o Almería, da Espanha. Ele foi campeão brasileiro da Série B, em 2006, e do Mineiro, em 2007. Ao todo, foram 31 jogos e 65 gols.
YouTube/Reprodução
O ex-goleiro atleticano Diego Alves também foi revelado pela base do clube, e, hoje, atua pelo Valência, da Espanha (foto: YouTube/Reprodução)


Camisa 20

O goleiro Edson atuou pelo time profissional do Atlético de 2005 até o fim de agosto de 2009. A missão dele não era das mais fáceis: substituir o ídolo Diego Alves. O jogador estreou aos 22 anos, na derrota por 2 a 0 contra o Democrata de Governador Valadares, em 2007. Desde então, o atleta que usava a camisa 20 nunca conseguiu se firmar no gol do Galo. Em 54 jogos pelo Alvinegro, foi "vazado" 79 vezes. Após uma falha no jogo contra o Avaí, pelo Campeonato Brasileiro de 2009, o goleiro sequer foi relacionado para as partidas seguintes.

Passagem "relâmpago" e "apagada"

Alguns atleticanos nem devem se lembrar de Bruno Fuso, que atuou na temporada de 2009 e fez apenas 10 partidas. A estreia foi em um amistoso contra o Democrata de Governador Valadares, em 2007, no jogo que foi vencido pelo Galo, com placar de 3 a 2. O jogador não se firmou e foi repassado para clubes de menor expressão.

O antecessor de Uilson

Da lista de revelações da base, Renan Ribeiro foi o goleiro que mais vezes entrou em campo para defender o Galo. Foram 80 jogos e 100 gols sofridos. A estreia foi diante do Avaí, em 2010, na vitória atleticana por 1 a 0. O então goleiro de 20 anos ganhou a condição de titular, apesar de nunca ter sido uma "unanimidade" entre a torcida.

Renan seguiu como dono do gol alvinegro até 2012, quando perdeu a posição para Giovanni. Com a chegada de Victor, o jovem atleta ficou encostado até ser negociado com o São Paulo, em 2013.

Agora é a vez dele

Mais uma "cria" da base do Galo, Uilson chegou ao Atlético com 14 anos. Após a Copa São Paulo, de futebol júnior, de 2014, quando a equipe mineira foi 3ª colocada, o goleiro subiu para treinar com os profissionais, que, na época, estavam sob o comando de Paulo Autuori.  Agora, os holofotes estão sobre o jovem atleta, que tem a oportunidade de agarrar, no próximo domingo, a grande chance de sua carreira.

Últimas notícias

Comentários