Arqueólogos podem ter descoberto a tumba da rainha Nefertiti, no Egito

Um escaneamento da câmara funerária de Tutankamon revelou supostos espaços vazios por trás das paredes

por Vinícius Andrade 25/03/2016 15:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/National Geographic/Reprodução
Arqueólogos escanearam as paredes da tumba do faraó egípcio Tutankamon e descobriram possíveis câmaras ocultas, que podem levar ao paradeiro da rainha Nefertiti (foto: YouTube/National Geographic/Reprodução)
As histórias ligadas ao faraó egípcio Tutankamon sempre foram envoltas em mistérios e pistas enigmáticas. Análise recente da tumba do governante do Antigo Egito revelou possíveis "materiais orgânicos" dentro de duas supostas câmeras ocultas. A descoberta pode trazer novas informações sobre o paradeiro da rainha Nefertiti, apontada por alguns historiadores como a mãe de Tutankamon, que morreu há 3 mil anos, quando tinha 19 anos, e teve seu sarcófago encontrado em 1922.

Cerca de dois mil objetos já foram descobertos dentro da tumba de Tutankamon. Porém, o tamanho menor da câmara, em relação aos túmulos de outros reis egípcios, sempre chamou a atenção dos especialistas. O arqueólogo britânico Howard Carter, descobridor da tumba no início do século passado, sempre acreditou que Nefertiti teria sido sepultada junto com o faraó. Segundo o egiptologista britânico Nicholas Reeves, os restos de Tutankamon podem ter sido sepultados às pressas em uma câmara externa, que originalmente era destinada à tumba de Nefertiti.

O ministro de Antiguidades do Egito, Mamdouh el-Damaty, revelou na sexta-feira, dia 18 de março, que a câmara sepulcral do faraó foi toda escaneada com sensores em novembro do ano passado, e que o resultado mostrou texturas diferentes na parte de trás das paredes. Uma análise mais detalhada ainda será realizada para verificar se os espaços vazios encontrados são realmente câmaras.

Em contrapartida, especialistas consultados pela agência de notícias Associated Press não acreditam que se trate do túmulo da rainha Nefertiti. De acordo com eles, mesmo que as análises mostrem que as câmaras secretas realmente existam, e revelem outra tumba, é improvável que ela abrigue os restos mortais da governante do Antigo Egito. As autoridades egípcias ainda não se pronunciaram oficialmente sobre os supostos espaços secretos, tampouco se guardariam tesouros ou múmias.

"É uma grande descoberta para o Egito. Pode ser a descoberta do século. É muito importante para a história egípcia e para o mundo todo", diz o ministro Damaty, em entrevista ao canal de televisão americano National Geographic.

Outras teorias acreditam que a múmia de Nefertiti foi descoberta em 1898 e que, atualmente, se encontra no Museu do Cairo. Ela foi rainha do Egito e esposa do faraó Akhenaton, que governou no século 14 a.C. O nome Nefertiti, em egípcio, significa "a mais bela chegou".

Confira, abaixo, mais imagens do escaneamento na câmara funerária de Tutankamon:






Fotos: YouTube/National Geographic/Reprodução

Últimas notícias

Comentários