Cientistas comprovam que 'unicórnios' viveram na Terra há milhares de anos

Mas, esses animais não têm nada a ver com os seres mitológicos do imaginário infantil

por João Paulo Martins 30/03/2016 10:08

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
WillemSvdMerwe/Devianart/Reprodução
Os "unicórnios" primitivos, ao contrário do que é visto nos desenhos animados, eram mais parecidos com os rinocerontes modernos (foto: WillemSvdMerwe/Devianart/Reprodução)
Muitos animais extraordinários viviam na Terra pré-histórica, porém, infelizmente, acabaram extintos, seja pela ação do homem, seja por causas naturais, como o fim da Era do Gelo, ocorrida há 20 mil anos. Entre esses seres, havia o mamute, o parente gigante e peludo do elefante, e também os "unicórnios". Mas, esses animais de chifres longos, na verdade, eram mais parecidos com rinocerontes do que com os cavalos mitológicos presentes no imaginário infantil – e em animações da Disney.

Cientistas da Universidade Estadual de Tomsk, na Rússia, analisaram fósseis muito bem preservados do Elasmotherium sibiricum (rinoceronte pré-histórico), e descobriram, por meio da datação por carbono, que ele teria vivido há cerca de 29 mil anos, concomitantemente com os seres humanos – nossos ancestrais teriam surgido na África, há 200 mil anos. Antes dessa descoberta russa, acreditava-se que o E. sibiricum teria sido extinto há 350 mil anos.

A análise feita pelos paleontólogos ajudou também a assinalar o possível habitat desses antigos "unicórnios". Segundo o estudo, eles teriam vivido na região onde hoje se encontra a cidade de Pavlodar, no Cazaquistão. O estudo da Universidade Estadual de Tomsk foi publicado no periódico científico American Journal of Applied Sciences, em fevereiro de 2016.

Ao contrário dos seres fofos e mágicos representados pelos desenhos animados, os "unicórnios" pré-históricos tinham a aparência do rinoceronte moderno, mas, com o corpo maior e coberto de pelos. Eles mediam 1,8 m de altura por 4,5 m de comprimento e chegavam a pesar até 4 toneladas. O chifre, principal característica do E. sibiricum, podia alcançar pouco mais de 2 m.

(com The Huffington Post)

Últimas notícias

Comentários