Faxineira confunde arte com lixo e limpa uma instalação montada num museu da Itália

Ela achou que a obra de arte, na verdade, era apenas sujeira de uma festa realizada no museu

por João Paulo Martins 04/04/2016 13:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Museion/Ermanno Zanella/Reprodução
Uma faxineira do Museu de Arte Contemporânea de Bolzano, na Itália, confundiu uma instalação artística com lixo pós-festa e limpou toda a obra de arte (foto: Museion/Ermanno Zanella/Reprodução)
Parece que algumas obras de arte não são bem entendidas pelo público. Ao menos por funcionários dos espaços em que são exibidas. Em 2014, uma faxineira da galeria Sala Murat, na Itália, jogou fora obras de arte feitas em papelão e pedaços de jornal, que eram avaliadas em 10 mil euros (R$ 40 mil). Recentemente, um novo caso chamou a atenção na internet. A funcionária do setor de limpeza do Museu de Arte Contemporânea de Bolzano, em Roma, capital da Itália, foi instruída a limpar uma sala em que havia sido realizado o lançamento de um livro, na noite anterior. Mas, para surpresa de todos, a faxineira achou que a instalação Onde Vamos Dançar Esta Noite?, composta por garrafas de champanhe, cigarros, pedaços de roupas e serpentinas, correspondia ao local onde fora realizado o evento, e limpou toda a obra de arte.

"A faxineira era nova. Quando viu as garrafas de champanhe no foyer, pensou que eram do evento do livro", diz Letizia Ragaglia, diretora do museu, em entrevista à rede de televisão americana NBC News.

A funcionária acabou desfazendo totalmente a instalação das artistas Sara Goldschmied e Eleonora Chiari, que, segundo o site do museu italiano, é uma representação do hedonismo, do consumismo e da especulação financeira, próprias da cena política da Itália nos anos 1980. Por sorte, a faxineira executou a limpeza de forma "sustentável", ou seja, separou todo o "lixo" nos devidos recipientes para reciclagem. Segundo Letizia Ragaglia, essa ação da funcionária ajudou para que conseguissem reconstruir grande parte da instalação – infelizmente, 30 garrafas se perderam após a limpeza.

Curiosamente, um dos mais importantes críticos de arte da Itália, Vittorio Sgarbi, revelou ao canal NBC News que a faxineira fez a coisa certa ao limpar a instalação. "Se ela pensou que era lixo, então era mesmo. Arte deve ser algo compreensível por todos, incluindo faxineiras. O fato de o museu simplesmente juntar objetos retirados da lata de lixo e colocar em exibição, não significa que seja arte", critica Sgarbi.

Últimas notícias

Comentários