Criança pode praticar fisiculturismo?

Competição de bodybuilding, na Rússia, chama a atenção devido à presença de menores de idade

por Vinícius Andrade 13/04/2016 08:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Stgau.ru/Reprodução e Eduard Korniyenko/Reuters
Crianças (detalhe) participando de competições de fisiculturismo na Rússia, levantam a dúvida sobre os supostos benefícios da musculação para os menores de idade (foto: Stgau.ru/Reprodução e Eduard Korniyenko/Reuters)
Uma competição de fisiculturismo (bodybuilding), no domingo, dia 10 de abril, na cidade de Stavropol, na Rússia, passaria batida se não houvesse crianças e adolescentes entre os competidores. As fotos dos garotos, com tão pouca idade, exibindo os músculos, chamou a atenção do mundo e, claro, gerou polêmica na internet.

O evento, sediado na universidade instalada na cidade russa, promove disputa nas categorias "até 12 anos", "até 18 anos", "até 23 anos" e adultos. A competição consiste em exibir os músculos em poses compulsórias, semelhante a concursos de belezas. Os participantes buscam apresentar um nível acentuado de hipertrofia muscular.

Segundo o educador físico Fernando Vítor Lima, professor da UFMG, para alcançar esse patamar é necessário um treinamento muito pesado na musculação, prática que não deveria ser feita por crianças e adolescentes. "O corpo, ainda em formação, pode não suportar as cargas, e apresentar lesões comprometedoras para o desenvolvimento", destaca o especialista.

O especialista não vê problema em praticar a musculação desde cedo, contanto que o treino não seja com cargas pesadas, que priorize a hipertrofia muscular.

O professor não indica uma atividade física específica para o público infantil. Segundo ele, o mais importante é escolher um exercício com moderação adequada para cada faixa etária. "A criança pode praticar judô, futebol, ginástica, desde que o treinamento seja dimensionado dentro das limitações físicas e psíquicas da idade", esclarece Fernando Vítor.

Últimas notícias

Comentários