Casal encontra 'vômito' de baleia que vale R$ 238 mil

O material inusitado é muito cobiçado por perfumistas

por João Paulo Martins 15/04/2016 11:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
SWNS/Mirror.co.uk/Reprodução
O inglês Gary Williams mostra o âmbar cinzento, ou "vômito" de baleia, que achou numa praia e que vale cerca de R$ 238 mil (foto: SWNS/Mirror.co.uk/Reprodução)
Quando o casal Gary e Angela Williams estava caminhando pela praia de Morecambe Bay, em Lancashire, na Inglaterra, não podia imaginar que o estranho "objeto" encontrado na areia seria tão valioso. Eles haviam encontrado uma amostra de "vômito" de baleia, que é conhecido como âmbar cinzento.

"Estava numa parte da praia que ninguém costuma andar. O cheiro é péssimo, mas é bem distinto. É uma mistura de polvo com estrume", diz Gary ao tabloide inglês The Mirror.

Pouca gente sabe, mas o âmbar cinzento é comumente usado pela indústria farmacêutica como fixador de perfumes, aumentando a duração da essência do produto, ou seja, faz o cheiro ficar mais tempo no corpo.

De acordo com a revista National Geographic, o âmbar cinzento surge quando a baleia engole algo não comestível, como, por exemplo, o bico de um polvo. O cetáceo, então, cria uma camada de gordura entorno do objeto para facilitar sua excreção. Aliás, o âmbar não é tecnicamente um vômito, já que é expelido pelo mesmo orifício das fezes.

"Parece uma bola de borracha dura como uma pedra. A textura é de cera, como a usada em velas. Quando você o toca, a cera fica grudada nos dedos", comenta Gary Williams ao The Mirror.

O casal inglês está oferecendo o âmbar cinzento a compradores da França e da Nova Zelândia, que podem pagar cerca de US$ 70 mil (ou R$ 238 mil). Vale lembrar que nos Estados Unidos e na Austrália a comercialização desse tipo de produto é proibida, já que possuem leis rígidas que restringem a matança de baleias e a exploração de seus subprodutos.

(com The Huffington Post)

Últimas notícias

Comentários