Zoológico de BH tem novos moradores

Oito macacos-barrigudos são a nova atração do zoo da capital mineira

por Encontro Digital 03/05/2016 10:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Suziane Fonseca/FZB-BH/Divulgação
Oito macacos-barrigudos, de diferentes idades, passam a fazer parte do acervo de animais do zoológico de Belo Horizonte (foto: Suziane Fonseca/FZB-BH/Divulgação)
Desde o final de janeiro deste ano, o jardim zoológico da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (FZB-BH) passou a contar com mais uma espécie de primata brasileiro da região amazônica em seu acervo. Agora, além de parauacu, cuxiú, macaco-da-noite e sagui imperador, o zoo de BH conta com um grupo composto por oito indivíduos de macaco-barrigudo (Lagothrix cana), um dos maiores primatas da Amazônia e que vive preferencialmente em florestas de terra firme, em grupos que têm, em média, 19 indivíduos.

De acordo com a responsável pela seção de mamíferos do zoológico, a bióloga Valéria Pereira, o Brasil é o país que tem o maior número de espécies de primatas. "Essa é uma oportunidade de ampliar a diversidade do grupo de primatas em nosso plantel e isso será um grande atrativo para as pessoas", comenta. Além disso, por se tratar de uma espécie ameaçada de extinção, segundo a International Union for Conservation of Nature, a FZB-BH tem grande interesse em colaborar com a conservação desta espécie por meio de pesquisas científicas, atividades de educação ambiental e manejo em cativeiro.

Quarentena

Os oito macacos-barrigudos (três machos e cinco fêmeas) vieram do Centro de Triagem de Animais Silvestres, de Porto Velho, capital de Rondônia, e estão na área de quarentena do Hospital Veterinário. Todos já passaram por exames como coleta de sangue, raio-x, pesagem e biometria, além de testes físicos. Cada indivíduo recebeu um microchip que irá permitir a identificação dos animais.

Ainda no período de quarentena será realizado um monitoramento dos comportamentos dos indivíduos e será formado um único grupo social, já que atualmente eles estão separados em três subgrupos. Tão logo este trabalho seja concluído, todos serão transferidos para um recinto de exposição do tipo fosso com muita vegetação, troncos, galhos, estruturas de postes de eucalipto, cordas e quiosque para sombra.

Dieta

Assim como acontece com todos os animais do zoológico, o grupo de macacos-barrigudos, formado por indivíduos de idades distintas, recebe uma dieta balanceada conforme suas necessidades nutricionais. A quantidade das refeições, distribuídas de três a quatro vezes ao dia, é feita considerando-se a faixa etária e peso de filhotes, jovens e adultos. Entre os itens que fazem parte da alimentação do grupo estão salada de frutas (pera, maçã, laranja, goiaba, mamão, banana, melão e uva), legumes (abóbora, batata doce, tomate, mandioca, couve-flor, beterraba e mandioquinha), folhas (couve, alface, almeirão, chicória, cebolinha e acelga), além de bolinho de ração, específica de primatas, moída com banana.

(com Ascom da PBH)

Últimas notícias

Comentários