China cria sua 'versão real' do Robocop

O robô policial chinês ajudará na identificação de suspeitos e na patrulha de locais públicos

por João Paulo Martins 05/05/2016 09:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
MGM/Divulgação e YouTube/Reprodução
À esquerda o famoso Robocop, do cinema, e, à direita, sua "versão" real, criada na China, o AnBot, que é capaz de patrulhar e até imobilizar suspeitos (foto: MGM/Divulgação e YouTube/Reprodução)
Apesar de parecer cena de Robocop, filme clássico dos anos 1980, cuja refilmagem em 2014 ficou a cargo do diretor brasileiro José Padilha (Tropa de Elite I e II), pesquisadores chineses, em parceria com o exército da China, criaram um robô capaz de reconhecer e interceptar suspeitos de terem cometido algum crime. Segundo eles, o equipamento poderá ser usado em locais de acesso público, como aeroportos, colégios e bancos.

A versão chinesa do Robocop é chamada de AnBot – a palavra "an" significa segurança em chinês, e "bot" vem de robot, ou robô em inglês. Ele foi criado pela Universidade de Tecnologia de Defesa, em Changsha, na China, e foi apresentado num evento de tecnologia na cidade de Chongqing, que fica na província de Sichuan, no centro do país.
YouTube/Reprodução
(foto: YouTube/Reprodução)

Com uma aparência menos ameaçadora que o robô policial do cinema, já que lembra mais um "totem interativo", segundo a agência espanhola de notícias EFE, o AnBot é capaz de procurar por explosivos, armas e drogas, bem como deter suspeitos, por meio de garras metálicas, podendo até imobilizá-los com choques elétricos. Ele consegue andar numa velocidade de até 18 km/h, tem autonomia para oito horas consecutivas de trabalho e possui câmeras frontais capazes de reconhecer rostos.

Os engenheiros garantem que ele está pronto para ajudar na seguranla de lugares públicos, e o Ministério da Segurança Pública da China já confirmou interesse em adquirir o equipamento, que deve custar cerca de US$ 15 mil (R$ 53,4 mil).

(com Agência Télam)

Últimas notícias

Comentários