Será que é recomendada a natação para bebês?

Mãe filma a própria criança tendo que 'se virar' na piscina e vídeo está gerando polêmica

por Vinícius Andrade 18/05/2016 08:39

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Reprodução
Vídeo mostra um bebê tendo que "se virar" na piscina, para não se afogar, e está gerando revolta nas redes sociais. Porém, a mãe diz que esse aprendizado é necessário (foto: YouTube/Reprodução)
Difícil não ficar angustiado ao assistir o vídeo em que um bebê de seis meses se esforça dentro de uma piscina para não se afogar. A mãe da garota, responsável por publicar a gravação na internet, tem sofrido duras críticas nas redes sociais por ter permitido e até mesmo provocado tal situação. O conteúdo viralizou na web e chamou a atenção pela capacidade da criança em boiar na água.

Alvo das críticas, a americana Keri Morisson afirmou ao telejornal americano Today que existem motivos suficientes para estimular a garota Josie a nadar. O primeiro filho, Jake, morreu afogado em 2013, com apenas dois anos de idade. "Gostaria de poder voltar no tempo e colocá-lo nessas aulas. Sinto que falhei como mãe e estou determinada a impedir que aconteça o mesmo com a minha filha", diz Keri em entrevista ao programa de TV.

A técnica utilizada para treinar Josie é conhecida como Infant Swimming Resource (recurso de natação infatil, em tradução livre) e tem como objetivo o estímulo ao auto salvamento do bebê. É importante ressaltar que a criança nunca fica sozinha na piscina, há sempre um adulto por perto.

Assista, abaixo, ao polêmico vídeo gravado por Keri Morisson:


É recomendado?

Talvez você tenha se espantado pelo fato de um bebê já praticar a natação. Porém, o pediatra Carlos Eduardo Reis da Silva, presidente do Comitê de Esportes e Exercícios da Sociedade Mineira de Pediatria, afirma que após os seis meses a criança já pode iniciar as aulas de natação. Ele enfatiza, no entanto, a importância da supervisão de um profissional habilitado. "Deve-se estar atento também para as condições da piscina e às condições prévias de saúde da criança", destaca o especialista.

A regra básica é jamais deixar o bebê sozinho na piscina ou fora do alcance de um adulto. É fundamental essa proximidade para que ele possa socorrer a criança quando necessário. Carlos Eduardo Silva adverte que nunca se deve superestimar a capacidade do aluno. "Jamais confiar no fato de que a criança está fazendo aulas e não irá se afogar, pois, quedas podem ocorrer, com traumas de diversas ordem", alerta o médico.

Últimas notícias

Comentários