Jornalista venezuelano diz que EUA mataram Hugo Chávez com 'nanoarma'

Ele ainda 'revela' que os americanos teriam 'atacado' outros líderes sulamericanos

por João Paulo Martins 07/06/2016 08:37

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/Hugo-Chávez-26574788838/Reprodução
Segundo o jornalista venezuelano, Hugo Chávez e outros cinco presidentes sulamericanos teriam sido afetados por uma "nanoarma" criada pelos Estados Unidos (foto: Facebook/Hugo-Chávez-26574788838/Reprodução)
Se você acha que já viu teorias cospiratórias mirabolantes, não leu o artigo publicado pelo jornalista venezuelano Antonio José Herrada Avila no portal Aporrea, especializado em notícias sócio-políticas e culturais, no dia 3 de junho deste ano. Segundo ele, o governo dos Estados Unidos teria usado uma "nanoarma" para matar o ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Por meio de partículas nanoscópicas (um bilhão de vezes menores que um metro), o então líder venezuelano teria sido "envenenado" pelos americanos, o que levou ao surgimento do fatídico câncer.

"Como não se conhecia as características da 'arma' responsável pelo homicídio, não se podia comprovar, por meio da autópsia, se o câncer atípico, que causou a morte, foi induzido. Portanto, recorreu-se à investigação documental, com o objetivo de encontrar a verdade sobre o falecimento do 'comandante' Chávez, utilizando um procedimento técnico que permite obter uma conclusão 100% confiável, sustentada no rigor do método utilizado", explica Antonio José Herrada Avila no texto publicado no Aporrea.

De acordo com o jornalista, a Agência Central de Inteligênica (CIA) dos EUA teria iniciado o movimento contra os líderes "antiamericanos" da América do Sul em 2003. A "nanoarma" serviria, então, para levar as vítimas a sérios problemas de saúde que, além do câncer, poderia terminar em AVC, ataques cardíacos e insuficiência respiratória. Além de Hugo Chávez, outros cinco presidentes também teriam sido afetados. Nestor Kirchner, da Argentina, acabou falecendo em 2010, vítima de um ataque cardíaco. Os demais, como mostra Antonio Avila, não por coincidência, adquiriram diferentes tipos de cânceres entre 2009 e 2011: Fernando Lugo (Paraguai), Dilma Rousseff, Lula, Cristina Kirchner (Argentina) e Juan Manuel Calderón (Colômbia).
Aporrea.org/Reprodução
Essa seria a suposta "nanoarma" usada pelos EUA contra o ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez, e que teria gerado o câncer que o matou (foto: Aporrea.org/Reprodução)

"O 'milagre' dos cinco presidentes terem sobrevivido à enfermidade do câncer é explicada se considerarmos que as 'nanoarmas' utilizadas contra eles foram direcionadas a partes do corpo que não comprometeram gravemente a saúde, além de não possuírem aceleradores de metástase e por terem facilitado a detecção no estágio incial", diz Antonio José Herrada Avila.

O artigo do Aporrea explica que a "nanoarma" teria sido criada nos Estados Unidos em 2003, por meio de um decreto assinado pelo então presidente George W. Bush. A chamada Lei de Investigação e Desenvolvimento da Nanotecnologia permitiu o repasse de US$ 3,7 milhões (cerca de R$ 12,9 milhões) para a pesquisa dessa nova tecnologia, que culminaria na criação de um dispositivo bélico invisível e biodegradável.

Ainda segundo Antonio Avila, um dos motivos que teria levado Bush a querer "aniquilar" alguns dirigentes sulamericanos seria, entre outras coisas, a derrota americana na formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Em 2005, na cidade de Mar del Plata, na Argentina, a proposta de criação da Alca foi negada pela maioria dos países participantes da IV Cúpula das Américas.

Últimas notícias

Comentários