Japonês arremata atum por R$ 2 milhões no mercado de peixes Tsukiji, em Tóquio

É a segunda vez que o empresário Kiyoshi Kimura, que tem uma rede de lojas de sushi, paga um preço exorbitante por um atum azul inteiro

por João Paulo Martins 06/01/2017 13:22

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Euronews/Reprodução
Mais uma vez o empresário japonês Kiyoshi Kimura gasta milhões de reais para adquirir um atum azul inteiro no mercado de peixes Tsukiji, em Tóquio (foto: YouTube/Euronews/Reprodução)
Na quinta, dia 5 de janeiro, o empresário japonês Kiyoshi Kimura virou notícia em todo o mundo. Isso porque o dono da rede de restaurantes Sushi Zanmai arrematou um atum azul de 210 kg por nada menos que US$ 642 mil (cerca de R$ 2 milhões) no primeiro leilão do ano do famoso mercado de peixes Tsukiji, que fica na cidade de Tóquio, capital do Japão.

Não é a primeira vez que Kimura decide gastar uma grande quantia em dinheiro por esse tipo de peixe, que é muito apreciado pelos japoneses no preparo de sushis e sashimis. Em 2013, num leilão do Tsukiji, o empresário bateu todos os recordes do tradicional mercado de peixes de Tóquio ao adquirir um atum azul de 220 kg por nada menos que US$ 1,8 milhão (cerca de R$ 5,8 milhões). Na época, Kiyoshi Kimura reconheceu que o valor pago era exagerado, mas, segundo ele, essa era uma forma de valorizar os pescadores japoneses.

Os excêntricos leilões do Tsukiji, considerado o maior mercado de peixes do mundo, de acordo com a rede de televisão americana NBC, não chama atenção apenas da mídia, mas também dos ambientalistas. Os ativistas reclamam que o atum azul (Thunnus thynnus Linnaeus) é uma espécie em extinção e a pesca constante já fez com que a população desse peixe reduzisse em 97%. Para se ter uma ideia, só o Japão responde pelo consumo de 80% de todo o atum azul pescado no mundo.

Em julho de 2016, a ONG The Pew Charitable Trusts, dedicada à filantropia nos Estados Unidos, chegou a pedir uma moratória de dois anos na pesca dessa espécie ameaçada de peixe. Além da redução drástica no número de atuns azuis que ainda habitam o oceano Pacífico, outro problema, segundo os conservacionistas, é que os pescadores matam animais jovens, que não conseguiram alcançar a fase de reprodução.

Apesar da reclamação dos ambientalistas, a única mudança prevista no mercado de peixes de Tsukiji diz respeito a seu endereço. Como Tóquio será a sede das Olimpíadas de 2020, o governo municipal pretende usar o terreno onde está instalado o tradicional local de leilões de atum para a construção de uma avenida. Claro que o mercado será reconstruído em outro ponto da capital japonesa.

Aqui está um vídeo com a notícia do excêntrico leilão de Tsukiji:

Últimas notícias

Comentários