Vilma Guimarães Rosa lança nova edição de seu livro dedicado ao pai

A 4ª edição de Relembramentos: João Guimarães Rosa, Meu Pai traz uma novidade: um capítulo a mais, dedicado à cidade de Itaguara, onde João Guimarães Rosa clinicou

por João Paulo Martins 30/06/2014 15:57

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcelo Borgongino/Divulgação
A noite de lançamento e autógrafos, no início de junho, lotou a livraria da Travessa no Rio de Janeiro (foto: Marcelo Borgongino/Divulgação)

Lançado em 1983, o livro Relembramentos: João Guimarães Rosa, Meu Pai, de Vilma Guimarães Rosa Reeves, acabou de ganhar sua 4ª edição – lançada no início de junho de 2014 –, que foi revisada e ampliada pela autora, filha do grande escritor mineiro. O evento de apresentação da nova publicação e noite de autógrafos foi realizado no Rio de Janeiro, na livraria da Travessa.

A obra Relembramentos: João Guimarães Rosa, Meu Pai traz um apanhado da vida do escritor nascido em Cordisburgo, Minas Gerais, a partir das memórias de Vilma. Com cartas, fotos e documentos, ela constrói seu relacionamento com o pai, Joãozito – como era conhecido na intimidade, pela família –, e apresenta o lado humano, religioso e engraçado de um dos maiores nomes da literatura brasileira. Com a nova edição, além da revisão técnica, a autora fez questão de incorporar um novo capítulo: a passagem de Guimarães Rosa pela cidade de Itaguara, região central de Minas.

Marcelo Borgongino/Divulgação
A escritora Vilma Guimarães Rosa e o atual prefeito de Itaguara, Alisson Diego Batista, responsável pela criação do Museu Sagarana (foto: Marcelo Borgongino/Divulgação)
Quando se formou em Medicina em 1930, João Guimarães Rosa decidiu clinicar numa cidade que não tivesse estrutura de saúde suficiente, para poder prestar um serviço maior à comunidade. Foi por indicação do colega Alysson de Abreu, que optou pela pequena Itaguara, que, na época, ainda era um distrito, e pertencia a Itaúna. "Eu não acredito em coincidências. Parece que existe uma trama do destino que liga minha família à cidade de Itaguara. Quando minha mãe tinha cerca de 10 anos, minha avó, que era professora, foi convidada para organizar a educação nesse mesmo município. Anos depois, casualmente, meu pai também clinica lá", conta Vilma Guimarães Rosa, que é cidadã itaguarense. Sua mãe, Lygia Cabral, estava grávida quando o escritor e médico foi para o pequeno distrito. "Não havia luz elétrica, nem calçamento. Quem fez o parto de mamãe foi meu próprio pai. Ele costumava dizer que o meu primeiro banho foram suas lágrimas de alegria", lembra Vilma, que é a primogênita de Joãozito – sua irmã Agnes nasceu em 1934, no Rio de Janeiro.

A passagem por Itaguara durou apenas dois anos, até 1932, quando Guimarães Rosa se mudou para Barbacena, sul de Minas, e em seguida para o Rio de Janeiro, onde se tornou diplomata e chegou a participar da Segunda Guerra Mundial, quando era cônsul na Alemanha. O distrito de Itaúna mexeu com o escritor, que se inspirou nos casos que lá ouvia para compor contos que fazem parte de obras clássicas como Sagarana – que traz a história A Hora e a Vez de Augusto Matraga, que se passa na rua central de Itaguara – e Tutaméia, Terceiras Histórias. Em 2012, a cidade ganhou um museu dedicado ao grande escritor mineiro: "O prefeito e o futuro curador vieram ao Rio me conhecer, e apresentar a proposta da criação do memorial. Eu doei muita coisa de papai, incluindo a casaca, os óculos, a gravata borboleta e o relógio de pulso que ele usou até sua morte", diz Vilma Guimarães Rosa.

Serviço:

Divulgação
(foto: Divulgação)

Título: Relembramentos: João Guimarães Rosa, Meu Pai
Autora: Vilma Guimarães Rosa
Editora: Nova Fronteira
Páginas: 330

Encadernação: brochura

Últimas notícias

Comentários