Saiba como estão praças em BH para brincar no Dia das Crianças

Brinquedos, conservação, jardins e segurança foram alguns dos itens avaliados pela reportagem e frequentadores das praças

por Fernanda Nazaré 10/10/2014 14:34

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

No dia 12 de outubro a atenção é exclusiva para elas, as crianças. E nada mais legal do que levar seu filho na pracinha para estrear o brinquedo novo que ganhou de presente. Um espaço aberto, arborizado e repleto de crianças para se divertir. Mas, será que as praças de Belo Horizonte estão preparadas para receber a garotada? Para ajudar a escolher a mais adequada para o seu filho, a Revista Encontro visitou algumas praças, ouviu os frequentadores, conferiu o estado de conservação, estrutura e opções de lazer.

Roberto Rocha/ Revista Encontro
Local: Av. Paulo Camilo Pena, esq. com a rua Modesto Carvalho de Araújo - Bairro Belvedere (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)

Roberto Rocha/ Revista Encontro
O engenheiro Paulo Roberto e o caçula Matheus se divertem. "Ele adora aqui!", afirma o pai (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)
Próxima à Lagoa Seca, no Belvedere, região Centro-Sul de Belo Horizonte, a praça Ney Werneck tem um playground com chão de areia, jardim bem conservado e academia a céu aberto. Cuidada pela associação de moradores do bairro, o local é bem sinalizado.

 

Os bancos de areia ficam à sombra das árvores, há bica com água potável, além de um trenzinho de cimento, escorregador de madeira, grade presa ao chão para escaladas e mesas próximas ao playground.

Morador da região, o engenheiro Paulo Roberto de Souza leva sempre o filho caçula, Matheus, de 3 anos, para brincar na praça.“Recomendo demais trazer os filhos aqui, o Matheus adora!”, afirma o pai.

 

O único contratempo é dificuldade para estacionar. A região é muito movimentada e frequentada pelos praticantes de atividades físicas, principalmente nos finais de semana.

Roberto Rocha/ Revista Encontro
Local: Av. Bandeirantes, 1799 - Bairro Sion (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)

Roberto Rocha/ Revista Encontro
Na Praça JK, a contadora Izabela e a médica Marília gostam do contato que seus filhos fazem com outras crianças (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)
Com 28 mil metros quadrados, a Praça JK é ideal para toda a família, dos avós aos netos. A praça é uma das mais amplas e com pavimento livre para andar de bicicleta e patins. Há também pista de caminhada, quadra de futebol, bicas de água potável e academia a céu aberto com vários aparelhos.

No playground, há brinquedos na região gramada e também em um cercado com tapete de borracha para amortecer as quedas. A estrutura que mais chama a atenção é uma nave colorida que tem saída para vários escorregadores. Do lado externo, gangorra e uma pequena ponte com obstáculos completam as atrações do local.

Mesmo após se mudar do bairro, a médica Marília Mendes Costa ainda freqüenta a praça com a filha Ana Luíza, de um ano e meio. “É ótimo a tranquilidade da praça e o relacionamento com as outras crianças. Isso que eu busco aqui”, diz.


A mãe do pequeno Arthur, de um ano e dois meses, a contadora Izabela Maia, leva a criança todos os dias à Praça JK. Segundo ela, o menino adora sair de casa e praça é um dos seus lugares favoritos. “Gosto de vir aqui por que ele tem contato com a natureza e sempre tem crianças para brincar. Filho único a interação com outras crianças é importante”, afirma a mãe. Segundo a moradora, a pracinha tem seus atrativos. É uma das melhores da região, só falta mais lixeiras perto da área do playground”, sugere Izabela.

Um alerta para os pais que vão levar filhos para andar de bicicleta ou patins é ter cuidado com rachaduras na transição de pavimento das diversas áreas na praça.

Roberto Rocha/ Revista Encontro
Local: Av. Brasil, Av. do Contorno esq. com rua Mana - Bairro Santa Efigênia (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)

Roberto Rocha/ Revista Encontro
Local: Av. Brasil, Av. do Contorno esq. com rua Mana - Bairro Santa Efigênia (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)
Praça Floriano Peixoto é também conhecida por Praça do Quartel, por ficar em frente ao 1º Batalhão da Polícia Militar de Minas. Revitalizado em 2010, o espaço ganhou academia a céu aberto, dois sets de playground com escorregador, passarela, balanço, gangorra e cubos giratórios para as crianças formarem palavras. Além disso, o piso dessa área é emborrachado para amortecimento de quedas.

Nesta semana, o jardim passou por manutenção e troca de lâmpadas dos postes. Quem frequenta o local afirma ser o ideal para crianças pequenas. Moradora região, a professora Viviane Aguiar Ribeiro passeia todos os dias com o filho Lucas, de dois anos, e o cachorrinho da família. “Como no meu prédio não tem parquinho, aqui é ótimo para o Lucas brincar. Depois que reformaram a praça ficou maravilhoso. Tem muito brinquedo e área verde. Por estar perto do batalhão e ter sempre um guarda municipal por perto, temos a sensação de segurança.”, afirma a professora.

A dificuldade para quem não é morador é na hora de procurar vaga de estacionamento, o que pode exigir o pagamento de estacionamento privado no entorno.

Roberto Rocha/ Revista Encontro
Local: cruzamento das ruas Mármore, Estrela do Sul e rua Tenente Vitorino - Bairro Santa Tereza (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)

Roberto Rocha/ Revista Encontro
Pais que frequentam a praça em Santa Tereza sugerem a implantação de mais brinquedos e manutenção da caixa de areia (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)
Inaugurada em 1937 com o nome de Praça de Santa Tereza, no bairro do mesmo nome, virou ponto de referência para a cidade, sendo palco de eventos culturais e de lazer. Em 1993, passou a se chamar Praça Duque de Caxias. Durante a visita da reportagem ao local, em uma manhã de quarta-feira, cinco garis cuidavam da limpeza da praça e um guarda municipal fazia a segurança. A praça estava limpa e tranquila. Mas, das duas bicas de água potável, localizadas a área central, apenas uma estava em funcionamento.


Perto das árvores de um dos corredores de bancos da praça, mães com crianças de um a três anos de idade se reúnem regularmente. “Somos 20 mães que se conheceram e ficaram amigas. Já fizemos até aniversário dos nossos filhos aqui”, afirma uma das integrantes do grupo, a dona de casa Monaliza Macedo.

O amplo espaço pavimentado da pracinha é um atrativo para brincar de bola e atividades sobre rodas. Segundo os próprios freqüentadores, algumas das maiores reclamações são a falta de manutenção da grama dos jardins e o uso dos brinquedos cobertos como abrigo para mendigos à noite. Monaliza sugere ainda a instalação de escorregadores e gangorras. “O ideal seria alguma empresa adotar a praça para cuidar da manutenção”, completa.

Roberto Rocha/ Revista Encontro
Local: Avenida Agulhas Negras, s/nº - Bairro Mangabeiras (foto: Roberto Rocha/ Revista Encontro)


Depois da missa campal realizada em 1980 pelo Papa João Paulo II, a Praça Israel Pinheiro passou a ser chamada de Praça do Papa, onde foi erguido um monumento em homenagem o sumo pontífice.

Um dos grandes atrativos do local é a deslumbrante vista da cidade e um amplo espaço gramado. Porém, a praça foi construída em terreno íngreme, um contratempo para crianças pequenas. Opções de diversão para os menores também não são muitas. O único playground é um emaranhado de passadiços de madeira. Porém, a altura dos obstáculos indica que o brinquedo é ideal para crianças a partir dos oito anos de idade. A praça é o lugar ideal para soltar pipa, tomar água de coco e comer pipoca apreciando o belo horizonte da capital mineira.

Últimas notícias

Comentários