Blocos protestam contra proibição do Carnaval de rua em OIiveira

Prefeitura publicou decretos de emergência financeira e de suspensão das atividades carnavalescas, o que desagradou os foliões

por Fernanda Nazaré 13/02/2015 18:12

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/Reprodução
Grupo de foliões protestam em frente à Casa de Cultura de Oliveira, contra proibição de festa nas ruas da cidade (foto: Facebook/Reprodução)
O tradicional Carnaval da cidade de Oliveira, região centro-oeste de Minas Gerais, foi cancelado pela prefeitura. A crise financeira no município e a falta de água foram os motivos para que um decreto, publicado no dia 11 de fevereiro, proibisse manifestações carnavalescas que utilizassem espaços públicos e que necessitassem do apoio do governo municipal.

O que mais revoltou os foliões foi a possibilidade de perderem os instrumentos musicais e serem multados em R$516,20. Isso por que o texto do Decreto Municipal 3445 diz que fica vetada a "utilização de som automotivo em alto volume, de instrumentos musicais tais como tambores, banjo, bumbo, tarol, pandeiros e cornetas que causem prejuízo à ordem, ao livre trânsito de veículos e pedestres, bem como à segurança pública".

Facebook/MarcioGato/Reprodução
O bloco Loucos Varridos vai sair às ruas mesmo com o decreto municipal (foto: Facebook/MarcioGato/Reprodução)


O coordenador do bloco Loucos Varridos, Márcio Gato, conta que a festa na cidade é tímida, mas que algumas pessoas estão saindo às ruas seguindo o cronograma típico do carnaval. "O bloco dos Cainágua já desfilou pelas ruas, o Pelo Amor de Deus também vai sair e os Loucos Varridos estão garantidos. Nossas fantasias serão fúnebres, em forma de protesto, numa alusão à ditadura. Será nossa resposta pacífica e alegre contra um decreto que foi imposto arbitrariamente", afirma o sambista.

Quem também protestou foi o músico Dudu Nicácio, criado em Oliveira, e que ajudou a criar o bloco Acorda Rosinha, em que os foliões saem às ruas de pijama às 5 horas da manhã no domingo de Carnaval. "É lamentável. Ao mesmo tempo em que Belo Horizonte passa por um momento de crescimento do Carnaval, a tradição diminui no interior. Se a prefeitura de Oliveira não tem condições de fornecer estrutura, tudo bem. Mas proibir de brincar na rua, não!", diz.

Facebook/MarcioGato/Reprodução
O Cainágua, outro tradicional bloco de rua de Oliveira, também deve desfilar, e protestar contra a proibição dada pela prefeitura (foto: Facebook/MarcioGato/Reprodução)


De acordo com o procurador geral do município, Bruno Rocha, os blocos podem desfilar momentaneamente, não impedindo o trânsito nas ruas. "Com relação aos instrumentos, só serão apreendidos se causarem prejuízo. A prefeitura não vai dispor de limpeza extra das ruas, nem se responsabilizar se se houver dano ao bem público. O bloco vai ser responsabilizado. Dos vários motivos para o cancelamento do Carnaval, além da falta de água para os turistas, a cidade enfrenta uma grave crise financeira", explica. Ainda segundo ele, os estabelecimentos particulares podem realizar festas, desde que o som e os foliões não invadam a esfera pública.

Últimas notícias

Comentários