Rihanna causa polêmica na internet com Bitch Better Have My Money

O novo clipe da cantora faz alusão a drogas, violência e sensualidade, o que, de acordo com especialista, são comuns nas produções de hoje

por Marcelo Fraga 03/07/2015 15:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Vevo/Reprodução
O novo clipe da Rihanna, Bitch Better Have My Money, gerou polêmica com as cenas de violência, nudez e drogas. Para se ter uma ideia, ele possui restrição de idade no YouTube (foto: YouTube/Vevo/Reprodução)
A popstar caribenha Rihanna fez a internet "bombar" mais uma vez. Na quarta-feira, 1º de julho, ela lançou o videoclipe da música Bitch Better Have My Money, seu novo single. Seria só mais um de seus vários sucessos, mas o clipe trouxe junto muita polêmica.

Confira o clipe que possui restrição de idade:


Em menos de três dias, são quase 10 milhões de visualizações no YouTube. O motivo de tantos acessos – além da expectativa dos fãs pela novidade – está logo na abertura do vídeo: há um aviso sobre as cenas de nudez e violência que serão exibidas. No clipe, Rihanna sequestra uma mulher para o pagamento de uma dívida da própria vítima com a criminosa. Em diversos momentos da história, a cantora aparece nua, usando drogas e até mesmo coberta por sangue.

A discussão gerada pelo novo trabalho de Rihanna, no entanto, não é novidade no universo musical. Várias cantoras, como Lady Gaga (Judas), Miley Cyrus (Wrecking Ball) e Nicki Minaj (Anaconda) já lançaram clipes polêmicos, com alta repercussão, sobretudo na internet.

As megaproduções, com conteúdos explícitos, são uma tendência, de acordo com o crítico musical Kiko Ferreira. "Hoje, a disputa por audiência, principalmente no YouTube, é bastante acirrada. Os produtores conhecem bem esse aspecto e utilizam temas polêmicos para chamar a atenção e ganhar acessos", analisa.

Ainda segundo o especialista, tudo indica que continuaremos bombardeados por videoclipes cada vez mais 'apimentados'. "Vivemos num mundo cada vez mais dependente da internet e, nesse aspecto, não há sucesso sem sensacionalismo", completa Kiko Ferreira.

Últimas notícias

Comentários