O mineiro Marquês de Sapucaí é o enredo da escola de samba Beija-Flor em 2016

A agremiação da cidade de Nilópolis, no Rio de Janeiro, vai contar a história do célebre novalimense, que dá nome ao maior palco do samba no país

por Marcelo Fraga 25/11/2015 12:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Um célebre filho de Nova Lima dá nome ao mais importante palco do carnaval no Brasil: Marquês de Sapucaí (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Separadas por quase 500 km de distância, a cidade de Nova Lima, em Minas Gerais, e a capital do Rio de Janeiro estão mais próximas do que se pode imaginar. Pelo menos quando o assunto é carnaval.

Nesse quesito, o elo entre as duas cidades se resume a um nome: Marquês de Sapucaí. A avenida – por onde desfilam as escolas de samba do Rio de Janeiro durante a maior festa popular do país – foi batizada em homenagem a um mineiro, nascido em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte.

A história do marquês é o enredo escolhido pela tradicional Beija-Flor de Nilópolis, escola com 13 títulos do carnaval carioca, na disputa pelo primeiro lugar em 2016. "É uma bela trajetória a ser contada, de uma figura muito importante na história do Brasil, além de ser o nome do nosso palco-mor", afirma Fran-Sérgio, carnavalesco da Beija-Flor.

Responsável direto pela produção do desfile da escola, ele conta que a ideia do enredo partiu de um integrante da bateria. "Um de nossos percussionistas é da cidade de Nova Lima e nos contou que o Marquês de Sapucaí nasceu por lá. Foi assim que começamos a pensar a história que iremos contar no carnaval de 2016", conta o carnavalesco.

Com o samba criteriosamente escolhido (foram mais de 22 concorrentes), Fran-Sérgio está otimista e diz que a escola tem tudo para disputar mais um título. Obviamente, ele não revelou nenhum detalhe sobre as tradicionais surpresas que a Beija-Flor vai apresentar ao público na avenida, mas uma coisa ele fez questão de destacar: uma estátua gigante do Marquês de Sapucaí já está pronta e deve causar "furor".

Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Cândido José de Araújo Viana viveu entre os anos de 1793 e 1875, e chegou a ser deputado federal e senador durante o Brasil Império (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)


O Marquês

Cândido José de Araújo Viana, que viveu entre os anos de 1793 e 1875, era o nome verdadeiro do Marquês de Sapucaí. Quando ele nasceu, a cidade de Nova Lima ainda se chamava Congonhas de Sabará.

Nos tempos do Brasil Império, sob a gestão de Dom Pedro I e Dom Pedro II, o célebre mineiro ocupou diversos cargos públicos, entre eles de deputado federal e senador. O Marquês de Sapucaí morreu no dia 23 de janeiro de 1875 e foi sepultado no cemitério do Catumby, na capital carioca. Nessa mesma cidade, mais tarde, seria eternizado dando nome à principal passarela do samba.

Confira abaixo a letra do samba-enredo Mineirinho Genial! Nova Lima – Cidade Natal. Marquês de Sapucaí – O Poeta Imortal!

Autores: Marcelo Guimarães, Sidney de Pilares, Manolo, Jorginho Moreira, Kirraizinho e Diogo Rosa

Abriu-se a cortina do tempo
Emoldurando a história a Beija-Flor ôôô
De Nova Lima à poesia se fez
Na genialidade do marquês
Nasceu em Congonhas de Sabará
O mais puro ouro das Minas Gerais
Atravessou o mar, no afã de conquistar
Conhecimento em terras lusitanas
Brilhou aos olhos da lei,
Formou-se bacharel
Fiel à nação, enfim regressou
A saudade apertou

Ecoou um brado de resistência
Ao longe se ouviu a voz da Independência
Pelo Brasil, impera felicidade
Já raiou a liberdade

Um homem de real valor
Um vencedor na estrada da vida
Em seu legado a primasia
Na gratidão que herdaria
Poeta, músico, escritor
O mineirinho que o Rio imortalizou
Teu chão floresce a nobreza pro samba passar
Um templo sagrado a luz do luar
Apoteose de todo sambista
Artista! Herdeiro verdadeiro de Ciata
Que hoje te abraça aos pés da praça
Em mais um Carnaval

Sou Beija-Flor, na alegria ou na dor
A Deusa da Passarela é ela!
Primeira na história do Marquês
Que na Sapucaí é soberana
De fato, nilopolitana

Agora, ouça o samba:

Últimas notícias

Comentários