#BoycottBeyonce: nova música de Beyoncé, Formation, causa polêmica nos EUA

Cantora foi acusada de racismo e de desrespeito à polícia. Nova música e apresentação no Superbowl foram repletas de referências à cultura black e críticas à repressão policial

por Correio Braziliense 11/02/2016 17:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
YouTube/Reprodução
No clipe do single Formation, a cantora Beyoncé critica o racismo americano e a brutalidade da polícia com os jovens negros (foto: YouTube/Reprodução)
Há menos de uma semana, a diva pop Beyoncé lançou um novo single – de surpresa: Formation. A data foi estratégica, um dia antes da apresentação da cantora no aniversário de 50 anos do Superbowl, no domingo, dia 7 de fevereiro, em que ela aproveitou para mostrar ao mundo a nova música. O problema começou durante o show, quando pessoas se irritaram com a mensagem que a música e mesmo a forma como as dançarinas estavam vestidas. "#BoycottBeyonce Não há uma garota negra entre as dançarinas! Pede mais diversidade! Não é justo", diz um usuário no Twitter.

Muitas pessoas interpretaram a apresentação de Beyoncé como desrespeito, uma afronta à polícia, pelas referências ao movimento e à hashtag #BlackLivesMatter. Em determinado momento do clipe, um menino negro dança em frente a um cordão de policiais. "Parem de atirar em nós" aparece pixado em um muro no vídeo.

Além disso, as meninas que acompanharam Beyoncé no palco estavam todas com roupas de couro, pretas e black power: a apresentação foi cheia de referências ao black power, um ode à cultura negra dos Estados Unidos.

Confira o polêmico clipe:


"I like my baby hair, with baby hair and afros. I like my Negro nose with Jackson Five nostrils", diz a letra. Em tradução livre, seria: "Eu gosto de meu cabelo pueril, meu cabelo pueril e afro. Eu gosto de meu nariz negro com as narinas do Jackson Five".

No clipe, ela mostra uma imagem do Martin Luther King e, em vários momentos, faz referência à cultura creole, do sul dos Estados Unidos.

No final da apresentação, as dançarinas aproveitaram para fazer um protesto e homenagem a Mario Woods, jovem negro morto pela polícia de São Francisco. No último ano, foram dezenas de casos similares ao de Mario, em que jovens inocentes acabam mortos por policiais.

Em resposta ao boicote, muitos internautas defenderam a cantora: "As pessoas que querem #BoycottBeyonce por Formation são parte do problema que ela canta na música", opina uma usuária no Twitter.

Beyoncé se apresentou na edição especial dos 50 anos do Superbowl ao lado da banda Coldplay e do cantor Bruno Mars.

Últimas notícias

Comentários