Jornal inglês diz que ex-Globeleza Nayara Justino teria sido destituída por ser 'muito negra'

O documentário do The Guardian expõe o suposto racismo 'oculto' na Rede Globo

por João Paulo Martins 13/02/2016 10:59

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Facebook/NayaraJustino/Reprodução
Nayara Justino, que foi eleita pelo povo a Globeleza de 2013, teria sido destituída do 'cargo', pela Rede Globo, por ser 'negra demais' (foto: Facebook/NayaraJustino/Reprodução)
Que o Carnaval é conhecido por ser uma vitrine de mulheres exuberantes, isso é sabido. E a musa da maior festa popular do planeta costuma ser a Globeleza, responsável por "abrir" os carnavais da Rede Globo. Em 2013, numa eleição popular realizada pelo programa Fantástico, a jovem carioca Nayara Justino ganhou a oportunidade de ocupar o papel marcante criado pelo designer Hans Donner, e que foi "inaugurado" em 1990 pela eterna Valéria Valenssa.

Porém, o "reinado" de Nayara durou apenas um ano. Em 2015, o papel de Globeleza passou para Erika Moura. No documentário feito pelo jornal inglês The Guardian, e que está sendo divulgado agora, a jovem eleita pelo povo revela que teria sido destituída do "cargo" por ser "negra demais". "A rainha do Carnaval na televisão brasileira sempre teve um tom de pele mais claro. Mas, isso não fez com que deixasse de me candidatar quando a Globo criou a competição para encontrar a musa do Carnaval em 2013", diz Nayara Justino no documentário inglês.

De acordo com a jovem, assim que passou a estampar as manchetes dos principais meios de comunicação, após ser eleita a nova Globeleza, passou a receber inúmeras mensagens racistas nas redes sociais. "As pessoas chegavam na minha página do Facebook e me chamavam de 'macaco' e de 'muito preta'. Esse racismo é que me machucou. E o racismo não veio apenas de pessoas brancas, mas, de negros também", revela a Nayara Justino, de 27 anos, que é atriz e estrelou a novela Escrava Mãe, da Rede Record.

De acordo com o The Guardian, pouco tempo após a chuva de críticas racistas recebidas por Nayara nas redes sociais, a Globo a teria chamado para agradecer por sua contribuição no Carnaval e, também, para avisá-la de que não mais faria o papel de Globeleza. Pouco depois, a emissora carioca contratou Erika Moura, sem votação popular, e que possui um tom de pele bem mais claro.

Em resposta ao jornal inglês, a Globo diz que não contrata "em função da cor da pele". "Atores são escolhidos de acordo com o físico artístico exigido para o papel específico. O mesmo critério vale para a escolha da Globeleza, em que o mérito artístico prevalece", diz a rede de televisão.

"Espero ajudar a inspirar as jovens negras a nunca desistirem", diz Nayara Justino ao site de notícias The Huffington Post, ao explicar que aceitou fazer o documentário para passar uma mensagem de esperança para todas as mulheres.

(com The Huffington Post)

Últimas notícias

Comentários