Na mesa 4

por Blima Bracher 23/09/2011 09:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Geraldo Goulart, Andrá Trigueiro, Eugênio Gurgel, divulgação
None (foto: Geraldo Goulart, Andrá Trigueiro, Eugênio Gurgel, divulgação)

Tempero dos anjos

 

“Ser um pedacinho da Itália em BH”. Esta é a proposta da Osteria Degli Angeli, como diz a chef-proprietária Dulcinea Raimondi, que traz para o restaurante, junto com o marido, Nicola Raimondi, o melhor da culinária italiana. Numa agradável casa no bairro Anchieta, a dupla oferece massas artesanais, carnes nobres e molhos, cujas receitas são segredos de família. A sugestão é o camarão na moranga (foto). Para casais, um menu completo com vinho, servido a R$ 99. E se o jantar deixar um gostinho de quero mais, no empório em anexo é possível encontrar pastas de funghi, gergelim, sálvia, alecrim, trufa e pimenta, além do limoncello (um licor de limão), também produzido na casa.

 

 

 

Drinques moleculares

 

Vapores, espumas ou gelatinas com sabor de uísque, vodca, espumante, entre outras infinitas possibilidades. Os drinques moleculares, com certeza, estão entre os atrativos que transformaram o Celtic Irish Pub num dos pontos mais disputados de BH. “Usamos técnicas especiais que permitem alterar a estrutura molecular dos ingredientes, criando texturas diferentes, o que não é possível com a coquetelaria tradicional”, diz Humberto Machado, sócio da casa (foto). As opções (foto no alto) vão desde o tradicional Cosmopolitan Cotton Candy, à base de vodca, suco de cranberry, Contreau e algodão doce (R$ 12,90), ao surpreendente Irish Gold Passion, à base de uísque, maracujá, gotas de limão siciliano e borda de açúcar de ouro e ramo de alecrim (R$ 13,90).

 

 

 

A bossa do sanduíche

 

“Nosso menu convida a conhecer diversas partes do mundo em pequenas mordidas”, diz o chef urugaio Mauricio Piñero (foto), à frente da Vení Resto & Tapas, casa no Sion que aposta nos sanduíches e tapas – tradicionais porções espanholas. Nas quartas e quintas, vale provar o Chivito Uruguayo, que leva alface, tomate, azeitonas, bacon, presunto, queijo muçarela, ovo cozido, maionese, cogumelos salteados com ervas, pimentão vermelho e amarelo, cebola e filé mignon. A casa oferece ainda opções mais elaboradas para jantar. De terça a quinta, tem o menu bistronômico, em quatro etapas, a R$49 por pessoa.

 

 

 

Confrarias etc.

 

O casal de chefs Fernando Castanheira Filho e Vanessa Margenti Galdão (foto) aposta nas aulas de gastronomia no Espaço Adore, em que as lições são voltadas para grupos fechados, reunindo verdadeiras confrarias de amigos e profissionais da mesma área. “Meus alunos médicos brincam que já posso realizar cirurgias e os juízes falam que sou um arquivo vivo”, conta Fernando, que largou a profissão de advogado para se dedicar à gastronomia. Formados no curso Cozinheiro Chef Internacional (CCI) pela Faculdade de Hotelaria e Turismo do Senac São Paulo, os chefs apresentam na TV BH News o programa Adore. E, em breve, pensam em ampliar o espaço para aulas.

 

 

 

Como los hermanos

 

“O gosto me lembra a infância”, diz o empresário Hugo Miranda Fiuza, referindo-se às empanadas, quitude tradicional de países sul-americanos de colonização espanhola. Criado no Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai, Hugo se lembra de quando iam para o lado de lá fazer compras: “Minha mãe descobriu um chileno que fazia as melhores empanadas do mundo”, lembra. Hugo enxergou aí uma possibilidade de negócios também no Brasil. O empresário conseguiu, depois de muito insistir, comprar a receita do chileno – aquele da infância – e abriu na capital mineira a Huguitos, especializada no salgado: “Nossa massa é fininha, sem adição de gorduras ou fermento, e a empanada é frita, o que deixa um sabor único”, diz. São mais de 10 recheios, com destaque para o “chilenita”: carne picada, ovo, azeitonas, passas, palmito e pimenta calabresa (R$ 2,50 a unidade, e R$ 4, duas, na promoção).

Últimas notícias

Comentários