Produção de mel em Nova Lima deve dobrar

Com apoio da Emater-MG, os apicultores da cidade devem colher até 4 milhões de quilos do produto em 2013

por Da redação com Agência Minas 21/06/2013 15:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Emater-MG/Divulgação
Muitos dos 62 apicultores de Nova Lima eram pequenos agricultores (foto: Emater-MG/Divulgação)
Desde 2010, a apicultura tem ganhado força no município de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A região, que até então era baseada na agricultura de subsistência, recebeu o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), e 62 famílias tiveram a oportunidade de seguir para a apicultura. Para se ter uma ideia do sucesso da produção, em 2012, o grupo colheu duas toneladas de mel, e a expectativa para 2013 é dobrar essa quantia.

“A vegetação diversificada e muito alecrim do campo favorecem a criação de abelhas para mel e própolis verde. Este ano devemos atingir os quatro mil quilos de mel”, explica o extensionista Modestino Cirino Motta. Segundo o técnico, o mel está sendo comercializado em três feiras livres da região e o própolis é vendido (in natura) para a Cooperativa Nacional de Apicultura (Conap), com sede no bairro Jardim Canadá, em Nova Lima. Alguns apicultores também vendem parte da produção de mel para a mesma cooperativa.

O presidente da Acranoli, João Carlos Rocha, garante que a vida dos pequenos produtores rurais locais melhorou muito com a apicultura. “Criamos uma associação de apicultores porque nunca tivemos uma produção significativa na agricultura. Antes disso, tínhamos alguns produtores de horta, que vendiam a produção de porta em porta, mas não havia visão comercial do negócio. A nova atividade melhorou a condição de vida dos associados", enfatiza.

“Estamos nos capacitando e atraindo mais pessoas interessadas na atividade e vamos tentar o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF). Enquanto isso, comercializamos em feiras e para clientes de condomínios próximos”, destaca João Carlos. O presidente da Acranoli fala também sobre a criação da Casa do Mel, espaço para o processamento do produto, que se encontra em fase de licitação na prefeitura. “A expectativa é que tenhamos a Casa do Mel no prazo de quatro a seis meses. Já compramos os equipamentos”, revela.

Os equipamentos da futura Casa do Mel foram comprados com recursos da ordem de R$ 48,3 mil, liberados pela mineradora local, por meio de projeto aprovado em chamada pública. Enquanto aguardam a construção do espaço comunitário, os associados tentam participar do Programa Nacional de Alimentação Escolar, para inserir o mel na merenda das escolas públicas de Nova Lima.

Últimas notícias

Comentários