Investindo na cultura "ardente"

Capela Nova, na região do Campo das Vertentes em Minas, inova e passa a cultivar pimenta, com apoio da Emater-MG

por Agência Minas 24/10/2013 18:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FreeDigitalPhotos.net
(foto: FreeDigitalPhotos.net)
O município mineiro de Capela Nova está descobrindo no plantio de pimenta malagueta uma alternativa de renda e ocupação para os agricultores familiares e trabalhadores rurais da região. Tudo começou em 2011 quando dois produtores decidiram diversificar suas atividades após visita ao município vizinho de Piranga, onde já existia o cultivo de pimenta. Com o apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) os agricultores partiram para a nova cultura, que, na safra 2011/2012, rendeu 3.200 quilos de pimenta em uma área de meio hectare.

O negócio prosperou e ganhou a adesão de novos agricultores. Hoje, cerca de 20 produtores, de várias comunidades rurais de Capela Nova, trabalham com a nova atividade. De acordo com o engenheiro agrônomo Odair Gerônimo, do escritório local da Emater-MG, toda a produção é vendida para uma conhecida indústria de alimentos, que utiliza a pimenta para a fabricação de molhos. "A fábrica paga R$ 7,50 por quilo e já existem outras empresas interessadas na compra", diz.

Segundo o agrônomo, além de ser comercialmente atrativo para os produtores, o cultivo da malagueta também beneficia os trabalhadores rurais que atuam na cafeicultura. "Para esses apanhadores, a pimenta é mais uma alternativa de renda e ocupação, pois é possível ter um período maior de trabalho. É que, enquanto aguardam o início da colheita do café, que vai de maio a setembro, eles trabalham com a coleta da pimenta, de fevereiro a maio", explica Gerônimo.

Pelas projeções do funcionário da Emater-MG, a safra 2013/2014 deve render uma produção de mais de 70 mil quilos do produto, uma vez que foram plantadas neste ano 80 mil mudas de malagueta, em dez hectares. "É uma alternativa boa, viável e rentável", garante o engenheiro agrônomo, que aplaude a diversificação das atividades tradicionais do município, ainda centradas nas culturas de milho, feijão, arroz, café e bovinocultura de leite.

Últimas notícias

Comentários