Mais que coadjuvante

Restaurante dedicado à gastronomia contemporânea com sotaque mineiro moderno, Café Cine Brasil abre as portas no Cine Theatro Brasil, na praça Sete, voltado para público mais seleto

por Augusto Franco 07/11/2013 12:19

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Geraldo Goulart
Joel Veloso e Nadim Donato: espaço conta com 60 lugares, bancada, mezanino e uma culinária digna do novo espaço cultural Cine Theatro Brasil, como a costela com risoto de canjica (foto: Geraldo Goulart)
 
 
O pão de queijo da casa leva, na massa, farelo de torresmo. As brusquetas são cobertas com linguiça feita com pernil e jiló ou abóbora com carne seca desfiada e requeijão ao forno. No almoço executivo, surgem todas as semanas opções que variam de acordo com os produtos da estação, caso do risoto mineiro – feito com canjiquinha e guarnecido com costelinha suína assada em baixa temperatura. Para jantar, o filé vem com cogumelos salteados e purê de batata-baroa (ou mandioquinha). De sobremesa, o petit gateau mineiro é servido com sorvete de queijo de minas.

As opções descritas são parte do cardápio do Café Cine Brasil, restaurante aberto em outubro na rua Carijós, no prédio do recém-inaugurado Cine Theatro Brasil, na praça Sete, coração de Belo Horizonte. O responsável pela empreitada é Nadim Donato Filho, atual presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio de Belo Horizonte (Sindilojas) e membro de uma das mais tradicionais famílias de comerciantes da cidade. Sua história com o ponto, conforme ele mesmo conta, começou ainda nos primeiros dias de outubro de 2012, quando os tapumes azuis cercavam a obra, que seguia a todo vapor. O Cine Theatro Brasil Vallourec, na praça Sete, foi inaugurado no último dia 8 de outubro.
 
Do lado de dentro da divisória, Alberto Camisassas, atual presidente da Fundação Sidertube – que gerencia o Cine Theatro Brasil Vallourec –, tinha uma série de problemas, inerentes a uma obra daquela magnitude, para resolver. Mas uma questão em especial lhe tirava o sono: como seria a comida do espaço cultural. A ideia inicial era conseguir um parceiro para terceirizar o serviço. Foi quando entrou em contato com Nadim.

"Ele queria que eu sugerisse um parceiro para montar um café. Assim, começamos a fazer o tour pelo local. Quando terminamos, eu estava encantado e resolvi ficar com o ponto", conta Nadim, que cercou-se de profissionais experientes para a empreitada. Convidou o coordenador do curso de gastronomia da UNA, Edson Puiati – que, por sua vez, entrou em contato com o chef Gabriel Trillo. À frente do salão, Joel Veloso, com décadas de mercado.

O espaço conta com 60 lugares, bancada, mezanino para 40 pessoas e duas bombonières dentro do Cine Brasil. Funciona de segunda a sábado, das 9h às 19h, quando as portas para a rua são fechadas. O serviço, no entanto, continua para atender ao público dos  eventos. O café, portanto, mostra que tem talento de sobra para ser bem mais que um mero coadjuvante.

Últimas notícias

Comentários