Colheita de pequi é a principal fonte de renda em Jequitaí

Técnicos da Emater-MG ajudam na capacitação de trabalhadores de comunidades rurais no norte de Minas, para que a extração seja consciente e, com isso, ajude na conservação do cerrado

por Agência Minas 13/02/2014 11:03

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Emater-MG/Divulgação
Extrativistas participam de treinamento nas comunidades de Lavandeira e Barrocão, no norte de Minas (foto: Emater-MG/Divulgação)
O extrativismo do pequi é tradicional em Jequitaí, cidade no norte de MInas que tem pouco mais de 8 mil habitantes. O fruto é encontrado com abundância nas áreas de cerrado e se destaca pelo seu sabor diferenciado e pela alta qualidade. O consumo e a comercialização da fruta in natura têm significativa importância socioeconômica para a população da região.

"O extrativismo do pequi no município se concentra entre os meses de dezembro e janeiro. Durante estes meses o fruto é um reforço alimentar e de renda para aproximadamente 300 famílias extrativistas do município, que comercializam o produto na BR-365 e para atravessadores. Muitas destas famílias têm na coleta do pequi a sua única fonte de renda", explica o extensionista João Denilson Oliveira, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

Com o objetivo de incentivar o extrativismo e a conservação do cerrado, os técnicos da Emater-MG realizaram, em janeiro, dois cursos de capacitação em beneficiamento do pequi. Trinta produtores da agricultura familiar, tradicionalmente extrativistas, das comunidades rurais de Lavandeira e Barrocão, participaram do treinamento. Durante a prática, eles aprenderam a fazer polpa de pequi em conserva, pequi congelado, boas práticas de fabricação de alimentos e manejo para o extrativismo sustentável.

O processamento aumenta o prazo de validade do produto e pode também aumentar o lucro em até duas vezes, quando comparado com a venda do fruto sem beneficiamento. "Deixar o cerrado em pé com sua valorização, agregar valor ao pequi, organizar a cadeia produtiva e consequentemente gerar renda através do beneficiamento são os nossos objetivos" enfatiza a extensionista Maria Fernanda Brandão Nonato, da Emater-MG em Jequitaí.

"Com o curso, aprendi coisas que eu não imaginava. Antes eu não sabia fazer conserva, que produto utilizava para conservar, na verdade nem conhecia a polpa de pequi. Com a conserva teremos pequi o ano todo", relata a agricultora Flávia, da comunidade rural de Lavandeira. Para ela, as orientações vão contribuir para a melhoria da renda da comunidade e valorização do cerrado.

Últimas notícias

Comentários